Exportações da China superam estimativas em maio, apesar da tensão comercial

23

Resultado ajuda a impulsionar economia do país, à medida que os gastos dos chineses diminuem afetados por uma longa crise no setor de imóveis

As exportações da aumentaram em maio no ritmo mais rápido em mais de um ano, informou o governo na sexta-feira, à medida que uma enxurrada de eletrodomésticos, carros e eletrônicos saíam das fábricas e a perspectiva de uma reação global crescia.

O valor das exportações da China subiu 7,6% em comparação com maio de 2023, mesmo com os preços de muitos produtos manufaturados provenientes da China caindo.

A China está construindo rapidamente novas fábricas e expandindo as existentes como parte de uma estratégia nacional. Mas os gastos são fracos pelos domicílios chineses, devido a um declínio longo e cada vez mais acentuado nos preços dos imóveis.

Grande parte da produção adicional das fábricas está sendo exportada. Com menos famílias chinesas comprando novos apartamentos, menos eletrodomésticos são vendidos internamente, por exemplo. O governo disse que o valor das exportações de eletrodomésticos subiu 18,3% em maio em comparação com o mesmo mês do ano anterior. E como a demanda é tão fraca na China, os preços dos eletrodomésticos despencaram. O número real de eletrodomésticos exportados no mês passado aumentou 27,8%.

O superávit comercial da China, a diferença entre o que ganha vendendo mercadorias para o mundo e o que gasta em importações, expandiu-se em maio para US$ 82,6 bilhões. Isso representou um aumento de 25,6% em relação ao ano anterior. Foi o maior já registrado para maio e um dos meses mais altos já registrados, exceto durante a pandemia, quando a China exportou grandes quantidades de equipamentos médicos, equipamentos de exercícios e outros produtos manufaturados.

O superávit comercial da China tende a ser relativamente baixo em maio e muito maior no restante do ano, quando seus exportadores fornecem mercadorias para a temporada de Natal.

A quantidade de exportações, não apenas de eletrodomésticos, tem aumentado mais rapidamente do que seu valor. Tantos contêineres cheios de mercadorias estão saindo da China, enquanto menos retornam com importações, que as companhias de navegação estão ficando sem contêineres na China

O valor das importações da China subiu apenas 1,8% em maio.

As empresas chinesas estão começando a enfrentar mais barreiras comerciais. No dia 14 de maio, o presidente Joe Biden aumentou as tarifas das exportações da China para os Estados Unidos em cerca de 4%. A União Europeia deve decidir já na próxima semana se vai impor tarifas às exportações de carros elétricos da China.

Países em desenvolvimento como Brasil e Índia também estão tomando medidas para proteger suas fábricas e trabalhadores industriais da concorrência chinesa.

Na sexta-feira, a China disse que o valor das exportações de caminhões e carros subiu 16,3% em maio em relação ao ano anterior. A distribuição entre carros a gasolina, carros elétricos e caminhões a diesel geralmente é divulgada mais tarde no mês.

Até agora, parece que o aumento das tarifas não causaram muito dano às exportações da China e podem até ajudar no curto prazo. Algumas empresas chinesas têm se apressado em enviar mercadorias para mercados emergentes na América Latina e em outros lugares antes que as tarifas possam entrar em vigor.

No último ano, a China aumentou as exportações para o Vietnã e o México, onde as mercadorias podem ser reprocessadas e depois enviadas para os Estados Unidos ou Europa com tarifas baixas ou nulas. Essas rotas comerciais mais complicadas, aliadas à fraqueza na taxa de câmbio da China, podem reduzir a eficácia das tarifas, disse a Capital Economics, uma empresa de pesquisa.

“Mesmo depois que as tarifas estiverem em vigor, seu impacto pode ser mitigado por meio de redirecionamento do comércio e ajustes na taxa de câmbio”, disse a empresa em uma nota.

Os crescentes superávits da China estão ajudando a compensar uma economia doméstica fraca.

A relutância dos consumidores chineses em gastar é facilmente visível nas ruas de Xangai e Pequim. Muitos restaurantes estão vazios mesmo nos fins de semana. As lojas têm poucos ou nenhum cliente, e os lojistas ficam parados parecendo entediados. Cosméticos de baixo custo fabricados na China estão eliminando marcas estrangeiras mais caras, e as vendas de bebidas alcoólicas têm fracassado à medida que os consumidores compram cerveja.

Os Estados Unidos relataram nesta semana que seu déficit comercial aumentou significativamente em abril para US$ 74,6 bilhões. O J.P. Morgan disse em uma nota de pesquisa que o déficit comercial do país provavelmente afetaria seu crescimento econômico nesta primavera, retirando quase 1 ponto percentual inteiro da taxa de crescimento do segundo trimestre. A economia dos Estados Unidos cresceu a uma taxa anual de 1,3% nos primeiros três meses deste ano.

Artigo anteriorRubens Ometto, presidente do Conselho da Cosan, diz que plano fiscal do governo Lula vai manter juros altos
Próximo artigoDignidade é o principal tema do fórum FII Priority Summit no Rio