Startup recebe investimento de R$ 68,5 milhões para pesquisa de tratamentos contra o câncer

A Kanvas anunciou que obteve uma rodada de financiamento inicial de US$ 12,5 milhões, elevando seus investimentos totais para US$ 29,5 milhões

19
Créditos: Freepik

A falta de resposta a alguns tratamentos contra o câncer está relacionada a microbioma do paciente — a comunidade de bactérias e outros microrganismos que vivem no intestino. Para esses casos, os médicos estão experimentando transplantes de microbiota fecal — uma maneira de transferir o ecossistema microbiano de uma pessoa saudável para outra. Este método é promissor, mas difícil de escalar comercialmente, além de possibilitar a transferência de patógenos.

A Kanvas Biosciences pretende oferecer uma solução mais segura e eficaz: terapias que utilizam microrganismos descobertos com a nova plataforma de biologia espacial da startup. Esta tecnologia explora interações específicas entre as bactérias e as células imunológicas no microbioma do paciente, algo que a empresa pretende usar para melhorar os tratamentos contra o câncer.

A Kanvas anunciou que obteve uma rodada de financiamento inicial de US$ 12,5 milhões (R$ 68,5 milhões), co-liderada pela DCVC e Lions Capital, elevando seus investimentos totais para US$ 29,5 milhões. “Sabemos que o microbioma é absolutamente crucial para a saúde humana — desde a digestão de nutrientes até o metabolismo de medicamentos e a regulação do sistema imunológico — mas não conseguimos caracterizá-lo adequadamente nem aproveitá-lo para o desenvolvimento de medicamentos”, disse Matt Cheng, cofundador e CEO.

A tecnologia por trás da plataforma da Kanvas foi desenvolvida inicialmente por Hao Shi, cofundador e diretor de tecnologia da startup, na época um estudante de doutorado no laboratório de Iwijn De Vlaminck, irmão de Cheng, na Escola de Engenharia Biomédica Meinig da Universidade Cornell. Conhecida como “HiPR-FISH”, ela funciona usando sondas químicas que se ligam a áreas específicas de interesse no microbioma e as rotulam com um código de barras distinto. Esta pesquisa, publicada na Nature em 2020, cria um “Google Maps” para as bactérias no intestino, disse Cheng. Isso permite à Kanvas entender como os diferentes microrganismos estão interagindo entre si e com o paciente.

“Podemos usar isso para identificar quais bactérias estão interagindo diretamente e conversando com as células imunológicas”, disse ele, acrescentando que esse conhecimento pode ajudar a encontrar as bactérias intestinais certas para “modular uma resposta imunológica específica” e aumentar a eficácia dos tratamentos contra o câncer. O potencial da plataforma para ser usada dessa maneira foi o que levou Cheng, Shi e De Vlaminck a fundar a Kanvas em 2020.

Concorrência
Várias startups de biotecnologia prometeram decifrar o código do microbioma, mas poucas alcançaram viabilidade a longo prazo, com a notável exceção da Seres Therapeutics, apoiada pela Flagship Pioneering, que recentemente vendeu sua pílula Vowst para a Nestlé Health Science. A startup de microbioma Viome Life Sciences, que usa IA para analisar resultados de kits de diagnóstico domiciliar, também conquistou investidores, fechando uma rodada de financiamento da série C de US$ 86,5 milhões no ano passado, mas especialistas e ex-funcionários levantaram preocupações sobre a ciência por trás de seus produtos.

Muitos outros concorrentes — incluindo Finch Therapeutics, Kaleido Therapeutics e Evelo — fecharam nos últimos anos devido a testes infrutíferos, previsões de financiamento ruins e erros regulatórios. O sócio da DCVC e presidente do conselho da Kanvas, Jason Pontin, investiu em várias dessas startups em seus três anos como sócio sênior e conselheiro sênior na Flagship Pioneering. Embora muitas parecessem promissoras na época, Pontin observou que um desafio persistente era o quão pouco se sabia sobre as interações específicas das bactérias no microbioma, o que tornava o desenvolvimento terapêutico difícil. Isso foi o que o impressionou na oportunidade de investir na Kanvas.

LEIA MAIS: Turismo para a melhor idade movimenta mais de R$ 1 trilhão

Investimentos
Logo após fechar uma rodada de investimento de US$ 12 milhões em junho de 2023, a Kanvas adquiriu vários ativos da Federation Bio, outro concorrente no espaço do microbioma, incluindo um programa de imunooncologia pré-clínico realizado no Centro de Câncer MD Anderson da Universidade do Texas, uma instalação de armazenamento celular em São Francisco e o diretor científico da empresa, Lee Swem.

Cheng chamou o acordo de “transformador” para a Kanvas, porque seus ativos de fabricação permitiram acelerar sua capacidade de escalar. “De repente, passamos de apenas uma plataforma de biologia espacial para uma empresa terapêutica completa”, disse ele. Dito isso, tanto Cheng quanto Pontin reconhecem que escalar um medicamento baseado em microbioma é o maior desafio da startup.

Com o novo financiamento, a Kanvas espera avançar nos ensaios pré-clínicos com o objetivo de se preparar para uma apresentação de novo medicamento experimental ainda este ano para o KAN-001 e no próximo ano para o KAN-003, seu segundo medicamento para aprimorar o microbioma. Depois disso, a empresa espera lançar um ensaio clínico humano de nove a dezoito meses para testar seus produtos em pacientes com câncer.

Eventualmente, Cheng espera que a plataforma de sua empresa possa direcionar outras doenças, como esclerose múltipla e doenças neurodegenerativas. A startup também está explorando aplicações em outros campos fora da medicina. Como a plataforma da Kanvas é “agnóstica ao tipo de espécime”, ela pode ser usada em tudo, desde amostras de tecido até brotos de alfafa e queijo, abrindo portas para aplicações na agricultura e segurança alimentar.

Fonte: Forbes

Artigo anteriorDeputados discutem alterações no texto que regulamenta a Reforma Tributária
Próximo artigoEstudo aponta que economizar contribui para melhorar a qualidade de vida
Redação
O Paraíba Business é um portal de notícias profissional focado em economia e negócios, independente e não partidário. Seu propósito é produzir conteúdos relevantes e se aproximar ao máximo da verdade dos fatos para informar e contribuir com nossos leitores de maneira transparente.