Senado autoriza bolsa de R$ 700 para universitários de baixa renda

Votação foi unânime

31
Senado Federal (Foto: Reprodução / Divulgação)

Em uma votação unânime, o Senado aprovou na última terça-feira (dia 11) o Programa Nacional de Assistência Estudantil (PNAE), destinado a estudantes de baixa renda em universidades, institutos federais e escolas técnicas de nível médio. O projeto de lei (PL 5395/2023) estabelece uma bolsa permanência de pelo menos R$ 700 para universitários e R$ 300 para alunos do nível médio, com valores dobrados para estudantes indígenas e quilombolas. O projeto agora segue para a sanção presidencial.

A proposta, apresentada pela então deputada e atual senadora Dorinha Seabra (União-TO), visa combater a evasão escolar e garantir que estudantes em situação de vulnerabilidade tenham condições de concluir os estudos.

Além do auxílio financeiro, o PNAE abrange dez programas e ações focados em alimentação, moradia, transporte, acessibilidade, saúde mental, acolhimento nas bibliotecas e apoio a estudantes que têm filhos menores de seis anos.

Conforme o texto aprovado, além de estudantes de baixa renda, o programa beneficiará indígenas, quilombolas, moradores de comunidades tradicionais, egressos da rede pública ou bolsistas integrais da rede privada.

LEIA MAIS: Petrobras vai investir na indústria e apoiar cadeia de óleo e gás no Brasil, diz Magda Chambriard

Também serão contemplados estudantes de alto desempenho acadêmico ou esportivo, estrangeiros e refugiados em situação de vulnerabilidade, e aqueles que moraram em abrigos de acolhimento institucional.

A senadora Dorinha Seabra, defensora da proposta, destacou a importância do Estado em assumir um compromisso com os estudantes mais vulneráveis.

– Que o Estado brasileiro assuma um compromisso. E aqui eu estou falando do público mais vulnerável que tem no acesso ao ensino superior, no ensino tecnológico, a sua oportunidade de formação – disse no plenário.

No plenário, o relator, senador Alan Rick (União-AC), enfatizou a relevância social do projeto:

– Cerca 70% dos estudantes das universidades públicas federais possuem renda familiar abaixo de um salário e meio por pessoa, reforçando a necessidade de apoio para a permanência escolar. Precisamos enfrentar esse desafio da evasão escolar e trabalhar para garantir que os nossos estudantes permaneçam em sala de aula, adquiram uma formação de qualidade e possam contribuir para o desenvolvimento do nosso país – destacou.

Artigo anteriorReceita Federal alerta para golpes relacionados a compras internacionais on-line. Saiba como se proteger
Próximo artigoGoverno reavalia benefícios temporários do INSS