Senado americano questiona segurança de aviões da Boeing

7

Modelos do 737 MAX ficaram parados em todo o mundo após os acidentes de duas aeronaves deste modelo em 2018 e 2019, resultando em 346 mortes, por defeitos de projeto

Quatro denunciantes, incluindo atuais funcionários da Boeing, testemunharam nesta quarta-feira perante uma comissão de investigação do Senado dos Estados Unidos, perante a qual relataram “sérios problemas” na produção dos aviões 737 MAX, 787 Dreamliner e 777, algo que a empresa nega.

Entenda: engenheiro da Boeing diz que fuselagem do 787 Dreamliner pode se romper no meio do voo após várias viagens

Reincidência: avião da Boeing faz pouso de emergência após tampa de motor cair

Relembre: Texas abre investigação contra subcontratada da Boeing por falhas

“Não estou aqui porque quero estar aqui. Estou aqui porque (…) não quero ver o acidente de um 787 ou de um 777”, disse Sam Salehpour, engenheiro de controle de qualidade da Boeing para 17 anos, disseram aos senadores. “Tenho sérias preocupações sobre a segurança do 787 e estou disposto a assumir um risco profissional ao falar abertamente. Fui assediado, mandaram eu calar a boca, recebi ameaças físicas”, afirmou. “Se algo acontecer comigo, ficarei em paz, porque acredito que testemunhando abertamente salvarei muitas vidas.”

Um e-mail enviado pelos advogados de Salehpour a diversos destinatários, incluindo a Agência Reguladora da Aviação Civil (FAA), está na origem da investigação no Congresso.

A audiência desta quarta-feira será seguida de outras, com responsáveis ​​da Boeing e da FAA chamados a testemunhar, disse o senador democrata Richard Blumenthal, presidente da organização, que destacou que há acusações “cada vez mais graves” que indicam que a “cultura de segurança na Boeing é quebrada”.

Boeing se defende

“A Boeing compreende a importância das responsabilidades da comissão em termos de fiscalização e cooperamos com esta investigação”, reiterou o grupo, que se mostrou disposto a “fornecer documentos, testemunhos e relatórios técnicos”.

A Boeing nega as acusações e defendeu na segunda-feira os seus métodos declarando-se “confiante na segurança e durabilidade do 787 e 777” em um relatório assinado por dois dos seus engenheiros-chefes. Os engenheiros negaram as acusações de que cerca de 1.400 aeronaves Boeing apresentam falhas de segurança significativas.

Mais depoimentos

Além de Salehpour, os membros da comissão ouviram Ed Pierson, ex-chefe do programa 737 MAX da Boeing, bem como Joe Jacobsen, que trabalhou 25 anos na FAA após 11 anos na Boeing, e Shawn Pruchnicki, especialista em segurança aérea e piloto de linha.

“Fiz tudo o que pude para dizer ao mundo que o MAX não era seguro e para alertar as autoridades sobre os perigos da produção da Boeing”, explicou Pierson. Mas “nada mudou depois dos dois acidentes”.

22 pessoas feridas: Boeing 787 da United Airlines faz pouso de emergência em Nova York após sair de Tel Aviv

Problemas: Boeing 737 perde parte da fuselagem durante voo, nos Estados Unidos

Os 737 MAX ficaram parados em todo o mundo após os acidentes de duas aeronaves deste modelo em 2018 e 2019, resultando em 346 mortes, por defeitos de projeto.

“A menos que sejam tomadas medidas e os gestores assumam as suas responsabilidades, todas as pessoas que embarcam num Boeing estão em risco”, segundo Pierson, que chamou a supervisão da FAA de “ineficiente”.

O senador Blumenthal pediu ao Departamento de Justiça que verificasse se a Boeing estava respeitando o acordo alcançado em 2021 para evitar um julgamento pelos dois acidentes. Em seu e-mail de 17 de janeiro, Salehpour afirmou que o fabricante “ignorou repetidamente preocupações sérias em relação à segurança e ao controle de qualidade na construção do 787 e do 777”. A FAA abriu então uma investigação sobre esses dois modelos.

“Investigamos exaustivamente todas as denúncias”, reiterou a entidade na terça-feira.

Segundo a FAA, todos os Dreamliners em operação “cumprem as AD”, as diretrizes de navegabilidade. A Boeing disse na quarta-feira que o 787 realizou com segurança mais de 4,2 milhões de voos.

“Testes extensivos e rigorosos de fuselagem e verificações aprofundadas de manutenção de cerca de 700 aeronaves em serviço não encontraram nenhuma evidência de fadiga da fuselagem”, disse a empresa.

Scott Kirby, presidente da United Airlines, proprietária de 71 Dreamliners, disse quarta-feira na CNBC que tem “total confiança na segurança” deste avião.

“Milhares desses aviões voam há décadas, milhões de horas de voo”, enfatizou.

Sob escrutínio

Três dos quatro modelos de aeronaves comerciais fabricados pelo grupo americano estão sob investigação do regulador aéreo. A FAA está investigando a família 737, a principal aeronave da Boeing, depois que um 737 MAX 9 da Alaska Airlines perdeu uma porta cega em pleno voo em 5 de janeiro.

A FAA identificou “problemas de não conformidade” nos procedimentos tanto do fabricante quanto da Spirit AeroSystems, um de seus fornecedores. O incidente da Alaska Airlines ocorreu em meio a uma série de problemas de produção em 2023 envolvendo o 737 MAX e o Dreamliner.

As entregas do Dreamliner foram suspensas por quase dois anos, em 2021 e 2022, e novamente no início de 2023, devido a um problema na fuselagem.

 

Artigo anteriorGoverno quer repetir no Orçamento de 2025 limite de bloqueio contestado por área técnica do TCU
Próximo artigoConcurso Nacional Unificado: cartão de confirmação estará disponível no dia 25