RS: vendas no varejo desabam, e analistas já veem impacto de 0,3 ponto percentual no PIB

11

Dados da Cielo apontam queda de 16,8% no movimento do comércio em Porto Alegre. Estudo usou dados do Katrina para estimar efeito no crescimento da economia brasileira

As vendas do varejo de bens e serviços em Porto Alegre tombaram 16,8% na quinta semana das , entre os dias 27 de maio e 2 de junho, frente a igual semana de 2023, mostram dados preliminares do Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA).

E pesquisas recentes apontam que a tragédia gaúcha deverá reduzir o crescimento do PIB brasileiro em até 0,3 ponto percentual. A economia do Rio Grande do Sul tem peso de 6,5% no PIB nacional.

LEIA MAIS: Justiça dá 24 horas para governo esclarecer leilão de arroz importado: entenda os próximos passos

O índice da Cielo acompanha o comércio e os serviços com base nos dados das maquininhas de cartões. Para analisar os efeitos da tragédia climática no Rio Grande do Sul na economia, os pesquisadores da Cielo desagregaram os dados em três áreas geográficas: a capital gaúcha, o estado como um todo e as 30 cidades mais afetadas pelas enchentes, conforme um estudo da UFRGS.

Considerando o Rio Grande do Sul como um todo, e não apenas a capital, as vendas tombaram 15,7% na segunda semana de enchentes, ante igual período de 2023, mas, na semana terminada no último dia 2, a queda foi de 0,6%.

Segundo Carlos Alves, vice-presidente de Tecnologia e Negócios da Cielo, houve queda em todos os setores em Porto Alegre, desde postos de combustíveis, supermercados e farmácias a vestuário e alimentação.

A tragédia climática no Rio Grande do Sul parou a economia do estado desde fins de abril e deixará um rastro de destruição de capacidade produtiva, pesando negativamente sobre a economia nacional.

Replicando a metodologia de um estudo do Departamento do Comércio dos EUA, de 2006, que avaliou os impactos que o rastro de destruição deixado pelo furacão Katrina na economia americana em 2005, a equipe de economistas da gestora G5 Partners estima que a economia brasileira poderá crescer 0,3 ponto percentual a menos neste ano só devido ao impacto das .

Outro estudo, do banco Bradesco, corrobora que o PIB poderá crescer de 0,2 a 0,3 ponto percentual a menos deste ano. “Ainda sem muita informação e de difícil mensuração, temos também que levar em conta os danos sobre as estruturas físicas. Os setores com maior potencial de perdas nesse sentido são o agropecuário, indústria e transportes”, diz um trecho do relatório do Bradesco.

O Rio Grande do Sul pesa 6,5% na economia nacional, segundo o IBGE. Parte do efeito negativo deverá ser transitório, diante da injeção de recursos federais para a recuperação. Os impactos também deverão variar conforme os setores da economia.

Artigo anteriorConstrutora Bauten: um caso de amor com o Nordeste e a inovação
Próximo artigoCentro Histórico: Comitê promove encontro entre secretários e Farol do Desenvolvimento