Rendimento dos trabalhadores qualificados avança 10% em 2023 volta ao pré-pandemia, diz IBGE

6

Essas famílias tiveram forte perda de renda em 2021 e 2022 que, só agora, retoma ao patamar de 2019

A alta de 10,4% no rendimento de todos os trabalhos dos trabalhadores mais ricos – e, portanto, que tendem a ter maior qualificação e escolaridade – em 2023 ante 2022 serviu para aumentar a concentração desse tipo de renda no ano passado. Mas, na prática, foi apenas um movimento de recuperação.

Com esse avanço, o rendimento médio do trabalho dos 10% mais ricos (R$ 12.163 por pessoa da família ao mês) ficou 0,6% abaixo do verificado em 2019, último ano antes da pandemia de Covid-19, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgados nesta sexta-feira, dia 19, pelo IBGE.

No primeiro ano da crise sanitária, os ganhos desses trabalhadores mais qualificados até subiram, mas depois caíram em 2021 e 2022.

Já entre os 10% mais pobres, a renda com salários, a renda do trabalho cresceu só 1,8%, para R$ 389 por pessoa por mês – o valor é abaixo do salário mínimo porque considera trabalhos informais e a renda domiciliar, ou seja, por cada membro daquele lar, incluindo quem não trabalha, como as crianças e idosos.

Desde a pandemia, a comparação é mais favorável: houve uma alta de 12,4%.

Mercado de trabalho melhor

O aumento da renda total em 2023 foi puxado por um mercado de trabalho que se recuperou totalmente da crise causada pela Covid-19, tanto em termos de geração de empregos quanto de reajustes de salários – as duas variáveis importam; a família pode ganhar mais tanto por causa de aumentos nos pagamentos quanto devido ao fato de que um membro conseguiu emprego melhor.

Gustavo Fontes, analista do IBGE, chamou a atenção para o fato de que, ano passado, a proporção de empregados no total da população em idade de trabalhar superou o nível de 2019, último ano antes da pandemia:

— Isso mostra uma recuperação do mercado de trabalho em 2023. Esse processo já tinha iniciado de forma mais acentuada em 2022 e continuou.

 

Artigo anteriorBolsa Família chega a quase um quinto dos lares e atinge níveis recordes, diz IBGE
Próximo artigoNo Nordeste, mais de um terço dos lares recebem Bolsa Família, diz IBGE