Visão e determinação: o crescimento planejado da Alta Construções

48
Felipe Nóbrega, fundador da Alta Construções

Em um mercado onde a resiliência e a visão estratégica são essenciais, a trajetória da Alta Construções, fundada por Felipe Nóbrega aos 21 anos de idade, é, certamente, um exemplo de determinação, sucesso e superação. Hoje, ainda com apenas 31 anos, ele transformou desafios em oportunidades e já é reconhecido como uma referência no setor imobiliário em João Pessoa.

No início de sua trajetória, equilibrando muitas horas de trabalho com curso de Direito e depois Engenharia, o desejo de empreender falou mais alto e o determinado jovem trancou matrícula para focar na Alta Construções: “No início de qualquer empreendimento a dedicação integral é muito importante, os estudos também, mas preferi seguir o caminho do trabalho já que sempre fui  bastante focado nos meus objetivos. Duas palavras que me definem muito são: persistência e determinação”, revela.

Foi em 2014 que Felipe deu os primeiros passos em sua carreira na construção civil, fazendo unidades do programa do governo federal Minha Casa Minha Vida (MCMV) e casas no bairro das Indústrias, na quarta etapa de desenvolvimento da região, já dentro do município de Santa Rita, na Grande João Pessoa. Ele começou a construir os primeiros empreendimentos com uma visão clara de onde queria chegar. Extremamente focado, estabeleceu metas a alcançar a cada cinco anos e vem seguindo à risca.

De quinquênio em quinquênio, Felipe Nóbrega expandiu o portfólio da Alta Construções, como cuidadosamente planejado, investindo em empreendimentos de alto padrão à beira-mar, já tendo entregue alguns deles, como o Altamare, e, neste ano,mais dois, o Alta Garden e Alta Marine, todos na beira-mar, na praia do Bessa. 

Alta Garden, empreendimento no Bessa

Mas o jovem e focado empreendedor já está pronto para “içar velas e navegar em outros mares” no próximo quinquênio: Vai lançar no início do ano que vem um empreendimento com estrutura de resort em Pipa, uma das praias mais badaladas no Sul do Rio Grande do Norte, a apenas 140 quilômetros de João Pessoa. Felipe adianta que será na melhor localização de Pipa, na rua onde tudo acontece, com oferta de gestão hoteleira, várias ilhas de piscina, restaurante e que surpreenderá o mercado. 

Hoje, o fundador da Alta Construções faz com sua equipe a gestão das obras, cinco no total, três em João Pessoa e duas em Cabedelo, sendo   empreendimentos de flats e outros do Minha Casa Minha Vida (Valentina e na Praia do Poço): “Tenho um perfil centralizador e gosto de ter o controle de todas as etapas.  Já fiz de tudo na Alta; comprador, motorista, despachante, financeiro, comercial, RH, e tudo isso me fez aprender muito, sobre todo o processo. Mas hoje, pela demanda das obras, eu precisei mudar e me adaptar, aprender a delegar e gerir pessoas e processos para dar conta das frentes que abri e, principalmente, para focar em antecipar  movimentos que o mercado ainda não está enxergando muito e que têm ou terão demanda. Essa é minha premissa, ir na localização e segurança do empreendimento com flexibilidade para manter o negócio rentável.

Minha Casa Minha Vida

No seguimento do MCMV, a Alta Construções atua com a linha Alta Engenharia, e segundo Felipe, pretende continuar construindo empreendimentos destinados a esse programa que considera primordial: “O Minha Casa Minha Vida não é apenas um motor para o setor de construção civil; é também um catalisador para o desenvolvimento econômico das localidades onde os empreendimentos são realizados”. 

Ele cita o exemplo do bairro Valentina, que se desenvolveu significativamente graças aos projetos que foram construídos lá: “É incrível como a região se desenvolveu e hoje tem escolas muito bem montadas, mercados enormes, com toda infraestrutura e vida própria, graças ao Minha Casa Minha Vida, uma função social do projeto, digamos assim. Então, o MCMV ainda tem muito potencial, até porque ainda existe no país um déficit habitacional gigantesco que é na  base da pirâmide sócio econômica”, destacou Felipe, lembrando ainda a forte geração de emprego na construção civil, uma verdadeira locomotiva que impulsiona o setor, principalmente no Nordeste.

Segundo o fundador da Alta, a percepção de maneira geral é que o mercado em João Pessoa está aquecido no segmento de praia, mas o Minha Casa Minha Vida é muito maior:  “É um universo que muitas vezes as pessoas não enxergam, porque não tem lançamento na mídia. E esse tipo de empreendimento tem um ciclo muito curto; em seis meses, em média, é possível terminar um prédio, é muito rápido, assim como é rápida a dinâmica da venda dos apartamentos, enquanto na praia o ciclo pode chegar a 5 anos”, revela.

Referências, descompressão e futuro

Indagado sobre suas referências, já que começou muito jovem, ele cita a mãe, que faleceu recentemente, e o tio Roberto Santiago como exemplo de garra, de não desistir até o negócio engrenar e dar certo: “Desde cedo eu queria “fazer o meu”, não depender de ninguém, ter minha independência e, ainda muito novo, eu vivia no escritório vendo meu tio e minha mãe trabalharem muito, tomando riscos e conquistando espaço. Isso foi algo que moldou minha personalidade, de querer ser da mesma forma”. Não foi uma trajetória fácil, revela: “Eu sofri o que tinha que sofrer, o que sofro, para aprender a sempre ter um plano do A ao Z, passar por tudo para dar valor. Quando você tem as coisas fáceis, você não dá valor. E minha mãe sempre foi uma forte e importante incentivadora, sempre dizendo vai dar certo”, lembra Felipe. Assim como minha família foi a minha referência, busco também ser para meus filhos.

Com dia a dia agitado e com muitas decisões a tomar, Felipe tem nas corridas de kart seus momentos de descompressão: “Quando estou ali focado em  competir, esqueço um pouquinho os problemas e dores de cabeça naturais que preciso lidar no trabalho”. 

O futuro da Alta Construções, ou o próximo quinquênio, está planejado por Felipe Nóbrega. Ele pretende continuar no programa Minha Casa Minha Vida, aproveitando este momento onde há incentivos governamentais para esse tipo de construção, crescer no alto padrão, surpreender o mercado com o resort em Pipa, mas como um empreendedor nato já tem outros dois negócios fechados, e que, segundo ele, representará outra virada para a empresa. Felipe não deu detalhes, mas adiantou: “Um grande empreendimento do Minha Casa Minha Vida com cerca de 1200 unidades e outro de alto padrão, em uma área fantástica, belíssima e com potencial incrível”.

Ficamos curiosos!

Artigo anteriorCom carne fora da cesta básica, o preço vai subir?
Próximo artigoAssociação do setor de saneamento estima aumento de impostos com Reforma Tributária
Vanessa J Laini
Vanessa Laini é jornalista formada pela Universidade Federal de Minas Gerais. Com vasta experiência em diversas áreas da comunicação, liderou equipes em agências de publicidade e comunicação, demonstrando habilidade no planejamento e execução de estratégias.