Opep+ fecha acordo para estender até 2025 corte gradual na produção de petróleo

O acordo feito em Riade, capital da Arábia Saudita, neste domingo excede algumas expectativas do mercado

8
Para Amrita Sen, diretor de pesquisa e co-fundador da Energy Aspects Ltd, o acordo 'mantém a Opep+ no comando do mercado.' — Foto: Andrey Rudakov/Bloomberg

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e Aliados (Opep+), que reúne os maiores países produtores de petróleo do mundo, concordou em estender seus cortes na produção de petróleo até 2025, mas também definiu um cronograma para a redução gradual de algumas dessas restrições ainda este ano.

O acordo feito em Riade, capital da , neste domingo excede as expectativas do mercado em alguns aspectos, estendendo os chamados cortes “voluntários” de membros-chave, incluindo Arábia Saudita e Rússia, até o próximo ano. No entanto, também começa a reverter essas reduções de oferta em outubro, mais cedo do que alguns especialistas imaginaram.

Antes da reunião, comerciantes e analistas esperavam que a Opep+ prolongasse suas reduções de oferta para compensar a produção crescente de seus rivais, com alguns prevendo que elas seriam mantidas até o final de 2024. Sob o novo acordo, as oito nações que participam dessas restrições adicionais terão adicionado cerca de 750 mil barris por dia ao mercado em janeiro.

Os preços do petróleo têm estado recentemente em declínio em meio a uma frágil perspectiva econômica na China, o principal consumidor, e dúvidas sobre o ritmo das reduções de juros nas principais economias industrializadas. Os futuros do petróleo Brent se estabeleceram em US$ 81,62 por barril em 31 de maio, uma queda de 7,1% no mês.

O acordo da Opep+ prolonga cerca de 2 milhões de barris por dia de cortes, que desempenharam um papel fundamental no apoio aos preços do petróleo acima de US $ 80 por barril este ano, mas que deveriam expirar no final de junho. As restrições continuarão na íntegra no terceiro trimestre e serão gradualmente eliminadas nos próximos 12 meses, de acordo com um comunicado do Ministério de Energia da Arábia Saudita.

Esses cortes “voluntários” pela Opep+ e seus aliados foram para além de um acordo anterior em todo o grupo, que limitou a produção de petróleo em cerca de 39 milhões de barris por dia, que durou até o final deste ano. A aliança disse em um comunicado que também concordou em prolongar esse acordo até o final de 2025.

— Ele remove uma parte significativa do petróleo de nossos saldos, tanto este ano como no próximo — disse Amrita Sen, diretor de pesquisa e co-fundador da Energy Aspects Ltd. Para ele, o acordo “mantém a OPEP + no comando do mercado”.

O acordo de domingo sugere que a Arábia Saudita, líder da Opep+, que sediou a reunião em sua capital depois que os planos iniciais para uma reunião em Viena foram cancelados, está tentando encontrar um equilíbrio entre apoiar os mercados de petróleo bruto e aliviar as restrições de produção contra as quais alguns membros costumam se irritar.

Os preços mais baixos do petróleo neste ano melhoraram as perspectivas econômicas, oferecendo algum alívio aos bancos centrais que enfrentam a inflação persistente. No entanto, eles também ameaçam a receita para produtores como a Arábia Saudita, que precisa de preços próximos a US$ 100 por barril para financiar os ambiciosos planos de gastos do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, como estima o Fundo Monetário Internacional.

Em paralelo à reunião da OPEP no domingo, o governo saudita completou uma venda de 12 bilhões de dólares em ações da gigante estatal de petróleo Aramco, arrecadando fundos para ajudar a pagar por um plano de transformação econômica massivo.

O acordo resolve, embora temporariamente, um debate potencialmente preocupante sobre a capacidade de petróleo de algumas nações. A aliança encomendou uma revisão externa das capacidades de seus membros com a intenção de redefinir os níveis de produção de base usados para medir os cortes em 2025.

Vários grandes exportadores estavam buscando ter seus níveis atualizados, possivelmente representando um risco para os esforços do grupo para estabilizar os mercados mundiais. O prazo para a conclusão desse processo foi agora adiado por um ano para novembro de 2026.

No entanto, os Emirados Árabes Unidos receberam um aumento de 300 mil barris por dia em sua meta de produção para o próximo ano, tornando-se o vencedor claro das negociações de domingo.

Artigo anteriorEntenda o que muda se a taxação de compras até US$ 50 for aprovada
Próximo artigoImposto de Renda: após clientes relatarem problemas na restituição, Caixa diz que regulariza pagamentos