OpenAI considera deixar de ser ONG visando o IPO

A empresa de inteligência artificial (IA) OpenAI está considerando mudar de uma corporação com lucro limitado para um modelo sem restrições com fins lucrativos.

41
Sam Altman, cofundador da OpenAI

A OpenAI, criadora da plataforma de inteligência artificial generativa ChatGPT e avaliada em cerca de U$86 bilhões, está mirando fazer o IPO e, para isso, tem considerado alterar sua atual estrutura, descrita como “uma empresa sem fins lucrativos original e um novo braço de lucro limitado”, para uma empresa com modelo de fins lucrativos. A informação está no site da empresa.

Especula-se que o CEO e cofundador, Sam Altman, disse aos acionistas que estava considerando a mudança em algum momento do mês de junho. Essa mudança pode ter um papel crucial na empresa. Hoje, a OpenAI é uma organização sem fins lucrativos, assim, todos os investimentos que ela recebe são considerado “doações”.

LEIA MAIS: Instabilidade no ChatGPT: entenda o que houve

Quanto ao motivo da mudança, segundo a OpenAI, as “doações” necessárias para realizar o trabalho da empresa eram insuficientes e um novo modelo de injeção de recursos é necessário para incentivar os interesses financeiros na empresa.

Porém, até o momento, o site ainda mantém um alerta de que os interessados ​​devem tratar seus investimentos como doações.

Momento de mudança estratégica

Toda essa movimentação veio no momento em que a OpenAI mais do que dobrou a sua receita anual, em apenas seis meses.

Sam Altman, informou aos funcionários em uma reunião que a receita anual da empresa atingiu US$ 3,4 bilhões. Segundo Altman, grande parte dessa receita, aproximadamente US$ 200 milhões, vieram dos produtos e serviços com inteligência artificial.

O grande ponto dessa mudança está no fato de que, virando uma empresa com fins lucrativos, a OpenAI cumpriria um requisito essencial para poder negociar suas ações, fazer seu IPO, receber novos sócios por meio da oferta de ações ao mercado, passando a ser uma companhia de capital aberto com papéis negociados na Bolsa de Valores.

Fonte: The Bizz

Artigo anteriorSão João movimenta economia na Paraíba, apenas três cidades devem injetar R$730 milhões
Próximo artigoCom estímulo à economia criativa, Sítio São Francisco inicia programação junina em Monteiro
Redação
O Paraíba Business é um portal de notícias profissional focado em economia e negócios, independente e não partidário. Seu propósito é produzir conteúdos relevantes e se aproximar ao máximo da verdade dos fatos para informar e contribuir com nossos leitores de maneira transparente.