“O Brasil das oportunidades é muito maior do que o Brasil das dificuldades” – Ferreirinha sobre as novas economias que virão com a IA

35
Carlos Ferreirinha, fundador e presidente da MCF Consultoria

“O Paladar Não Retrocede” foi uma das palestras mais inspiradoras e cheias de reflexões ministrada por Carlos Ferreirinha, fundador e presidente da MCF Consultoria, no primeiro dia do Nordeste On (NEon), evento promovido pelo Sebrae-PB para um público de 20 mil visitantes nos dois dias.  

Como será o mundo com a inteligência artificial e como isso interfere nas nossas capacidades criativas permeou a apresentação, além de sua pesquisa sobre como as novas economias vão modelar o futuro do  mundo, desde questões ambientais até as relações de trabalho. 

Ferreirinha citou a importância dos empresários saberem resgatar a brasilidade e a essência do país em quesitos culturais que não são mais vistos no mercado. O palestrante pontuou a dificuldade presente quando se trata de olhar ao seu redor e ver o que está acontecendo.

Outro ponto importante destacado na palestra foi a mudança climática, pois o meio ambiente reflete nas condições humanas de trabalho. Assim, é preciso levar em conta como seus colaboradores são tratados, já que não querem mais trabalhar com empresários autoritários e cargas horárias exaustivas. Segundo ela, é preciso, cada vez mais, pensar que o mercado é composto por relações entre marcas, funcionários e clientes.

A inteligência artificial é o novo petróleo 

Ferreirinha destacou ainda que apesar das redes sociais já existirem a muitos anos, ainda não sabemos como utilizá-las: “Empresários e grandes empresas ainda não fazem uma estratégia digital adequada, o que nos leva a pensar no uso da Inteligência artificial, muito útil para desenharem uma visão de longo prazo e construir um plano de negócios”.

Ferreirinha cita ainda: “A força competitiva de empresas, marcas e profissionais estará naqueles que preveem o futuro, analisam mais rápido o que está acontecendo e são capazes de reagir igualmente rápido”.

Quatro desafios para o futuro

1: Apagão de mão de obra

Contratar pessoas, atrair clientes e entretê-los será cada vez mais difícil. O número atual de demissões voluntárias é maior do que nos últimos trinta anos.

2:  O desafío climático 

Um dos mais difíceis obstáculos para os próximos anos é a mudança climática. Alagamentos e elevação da temperatura do planeta fazem com que os consumidores não saiam tanto para consumir.

3: Revolução e transformação digital

A inteligência artificial terá mais impacto do que a revolução industrial. O que demanda mais estudos por parte dos empregadores.

4: Fragilidade mental e emocional 

Segundo a OMS, a doença que mais terá óbitos em 2030 será a doença mental. Ferreirinha fez um alerta ao dizer que no futuro as empresas começarão a dar vale terapia como hoje dão vale alimentação. Os famosos pets serão ainda mais comuns como ajuda terapêutica e abrirão portas para esse mercado crescer muito.

Novas economias

Na análise de Ferreirinha, muitas novas economias irão nascer a partir dos desafios que foram citados acima. A fragilidade mental e emocional vai gerar escapismo e consequente alta na busca por novas  possibilidades de entretenimento. O turismo terá a sua maior alta da história. 

O mundo está com oito bilhões de pessoas e esse número crescerá exponencialmente. Segundo ele, haverá lugares que não poderão ser habitados, o que irá gerar migrações em massa, também em função de mudanças climáticas. Alagamentos como no sul do país farão com que o mercado passe por reconfigurações.

O especialista lembrou ainda que as novas gerações estão envelhecendo melhor, com mais saúde, mais motivação e energia, trazendo oportunidades para vários mercados que terá vinte cinco anos a mais de uma faixa etária que não era determinante na cadeia de consumo.

“O Brasil das oportunidades é muito maior do que o Brasil das dificuldades” – Carlos Ferreirinha

O palestrante citou a notícia que o Brasil passará de nona para oitava economia do mundo, superando a Itália, e é o único país da américa latina com economias espalhadas por todo o território e não somente concentrada na capital. 

O futuro, segundo Ferreirinha, espera muito de nós quando se trata do caminho para o crescimento econômico, mas com o homem no protagonismo ao digital e com a inteligência artificial como uma grande colaboradora: “A IA desafiará o quão criativos nós somos, sendo, agora, o momento de potencializarmos as nossas habilidades criativas. Colocar cada vez mais nossas humanidades e singularidades em nossos produtos. O cliente buscará experiência ao adquirir um produto, isso traz a conexão entre marca e cliente”, finalizou com clareza e conhecimento baseado em dados e pesquisas. 

Artigo anteriorConheça a história de vida, morte e renascimento de um site de notícias gerado por inteligência artificial
Próximo artigoProjeto de ‘taxação das blusinhas’ reduz imposto para importações entre US$ 50 e US$ 3 mil