Novo CEO da Vale deve ser próximo dos governos, diz Alexandre Silveira

16

Ministro de Minas e Energia cobra que o próximo presidente da companhia estreite relações com estados, municípios, reguladores e com a sociedade brasileira

O governo do presidente Luiz Inácio da Silva espera que o próximo presidente da tenha relações mais próximas com autoridades do poder Executivo e reguladores, mesmo depois da tentativa de influência no plano de sucessão da empresa ter agitado a busca do novo CEO no início deste ano.

O próximo CEO da mineradora deve estreitar relações com estados, municípios, reguladores e a sociedade brasileira, disse o ministro das Minas e Energia, , em entrevista no escritório da Bloomberg em Roma.

Nova estratégia:

Sucessão:

Segundo ele, esse será um avanço e o governo vai exigir isso com muito vigor.

O conselho da Vale espera anunciar um novo CEO até 3 de dezembro, quando a empresa realiza o seu Investor Day, evento para investidores.

Em março, a Vale anunciou que manteria Eduardo Bartolomeo no cargo de presidente enquanto procurava um sucessor. A decisão veio após semanas de notícias desencontradas sobre a escolha do próximo comandante da mineradora, em meio à crescente pressão do governo brasileiro para intervir no processo, destacando sua influência no setor de mineração.

‘Pendências com o Brasil’

O mercado reconheceu a liderança de Bartolomeo em segurança, incluindo um plano para eliminar dezenas de barragens de rejeitos de alto risco. Mesmo assim, os investidores têm se preocupado com o desempenho operacional e com a percepção de que a Vale poderia navegar melhor nas relações institucionais com os estados e o governo federal.

Resultado menor:

Silveira criticou o atraso no plano de sucessão da Vale, dizendo que quanto mais cedo houver uma mudança de gestão, melhor a mineradora conseguirá resolver “pendências com o Brasil”. Na entrevista, ele também antecipou que o governo brasileiro rejeitaria a nova proposta apresentada pela Vale, pela BHP e a joint venture Samarco para um acordo final sobre a tragédia provocada pelo rompimento de uma barragem em Mariana, em 2015. A Advocacia-Geral da União confirmou em comunicado a declaração do ministro.

Silveira está em Roma, onde teve uma reunião privada com o Papa Francisco para discutir uma transição energética justa e inclusiva que ajude a combater a desigualdade. O Brasil assumiu a liderança do G20 em 2024 e sediará a cúpula do clima COP30 em 2025.

 

Artigo anteriorCNU: governo amplia atuação de Força Nacional e inclui Rio em locais que terão segurança reforçada
Próximo artigoPrimeiro-ministro do Catar, xeque vende mansão de R$ 250 milhões em Londres para outro membro da realeza