‘Não tem uma bancada bolsonarista e uma bancada lulista no BC’, diz Haddad a jornal

8

Em entrevista ao Estadão, ministro da Fazenda afirma que divergência sobre corte da Selic no Copom se deu por questões técnicas. Taxa caiu a 10,5% após racha na votação

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, minimizou a divisão no Comitê de Política Monetária (Copom) sobre o corte da taxa básica de juros, a Selic, na última quarta-feira. Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, publicada hoje, ele diz que “não tem uma bancada bolsonarista e uma bancada lulista no BC (Banco Central)”.

Na quarta-feira, os quatro diretores indicados pelo presidente Lula votaram por uma redução de 0,50 ponto percentual (pp) da taxa. Já os cinco diretores que assumiram seus cargos na gestão de Jair Bolsonaro defenderam um corte menor, de 0,25 pp. Após a reunião, a Selic caiu para 10,5% ao ano.

O racha gerou desconfiança entre investidores e analistas, que veem risco de que o próximo presidente da instituição possa ser mais flexível e tolerante com a inflação. No dia seguinte à decisão, Haddad disse que teria de esperar a ata do BC, que traz mais detalhes sobre o que fundamentou a decisão do órgão.

Na entrevista ao Estadão, Haddad disse acreditar que a divergência se deu por questões técnicas:

– Eu não concordo com esse tipo de avaliação (racha político do Copom). Até em respeito aos profissionais que estão lá, não tem uma bancada bolsonarista e uma bancada lulista no BC. Eu acredito que a questão do guidance (orientação) tenha sido a razão da divergência.

 

Artigo anteriorEUA vão impor novas tarifas a carros elétricos chineses
Próximo artigoGoverno federal publica MP que autoriza compra de até um milhão de toneladas de arroz