Mercados de Luxo: Automotivo e Imobiliário

78

Imagine a seguinte situação: Você está entrando em uma loja preparado para comprar – ou pelo menos com a intenção – aquele produto bacana, que se encaixa perfeitamente com o seu lifestyle. A dita loja é elegante e, ao mesmo tempo, descontraída. Tem um cheiro bom, bem característico daquela marca. O café é sempre oferecido e servido assim que você entra. Os vendedores são educados e sabem “se adaptar” até à sua maneira de falar para garantir que você se sinta “em casa”, confortável. Além disso, a música ambiente é a combinação exata para o público-alvo da tal loja! Acredito que você tenha gostado da ideia. Isso é o que acontece na maior parte das lojas de veículos premium! Essas situações causam sensações positivas, identificação e desejo. Desejo de ter, de fazer parte, de viver essa realidade.

Ambientação impecável, produtos admiráveis e de mesmo padrão, espaços de conversa e descontração. Certamente quem busca veículos esportivos, luxuosos, passará por aí. É fácil perceber a especialidade da Paíto Motors, correto? A imagem da loja já gera um pouco daquele desejo de fazer parte dessa tribo e se comunicar bem com o público desejado (nesse caso, se você não é um entusiasta automotivo, ainda mais de esportivos, provavelmente a imagem não trará nenhuma sensação relevante. Mas não importa, porque você não é o público, entende?).

Agora vamos fazer o paralelo: o profissional do mercado imobiliário de alto padrão está caminhando na mesma vibe do automotivo? Talvez a minoria, pensando de forma geral. O cliente de alto padrão está acostumado com o que existe de melhor. Os melhores restaurantes, os melhores hotéis, os melhores serviços! Para atingir e trabalhar com essa parcela de público não é preciso atender às expectativas…elas têm que ser superadas!

Vamos mostrar um apartamento com valor de mercado de R$ 4.000.000,00 (quatro milhões de reais). No dia anterior tivemos o cuidado de deixar o imóvel limpinho. No dia da visita chegamos um pouco mais cedo para abrir as janelas que devem ser abertas, ligar o ar-condicionado que merece ser ligado (lembre-se, precisamos criar as melhores sensações), deixar a cafeteira preparada para aquele expresso. Revisamos todos os detalhes relacionados ao produto para ter as informações na ponta da língua, analisamos os imóveis concorrentes e semelhantes para poder apontar os pontos positivos e não tão positivos de cada um.

Poucos minutos antes da chegada do cliente colocamos alguns aromas no apartamento e ligamos uma música que combina com o estilo dele. A visita aconteceu “redonda”, de forma muito tranquila e confortável. No final ainda ficamos conversando no sofá por alguns minutos. Diferente, não? Mas tudo isso para mostrar 01 (um) apartamento? Tudo isso para ser diferenciado, inesquecível, para mostrar o valor do seu trabalho como agente especialista em imóveis de alto padrão! Gosto de fazer essa análise comparativa para ver como podemos atingir patamares ainda mais elevados. Não é preciso inventar a roda. Só aplicar aquilo que nos agradaria!

Artigo anteriorChuvas no RS: governo anuncia hoje crédito para família, empresas e pequenos agricultores
Próximo artigoDia das Mães: serviços de beleza e restaurantes sobem mais que inflação, mas flores estão mais baratas