Mercado Livre anuncia criação de 18 mil vagas de emprego na América Latina, 6.500 no Brasil

7

México, Argentina, Colômbia e Chile também serão contemplados com postos de trabalho

A empresa argentina de comércio eletrônico e serviços financeiros Mercado Livre anunciou nesta quarta-feira que vai gerar 18 mil empregos diretos no México, Brasil, Argentina, Colômbia e Chile, atingindo mais de 76 mil trabalhadores em sua folha de pagamento até o final de 2024. O Mercado Livre anunciou “a contratação de 18 mil pessoas na região, o que aumentará sua folha de pagamento para mais de 76 mil até o final de 2024”, informou a empresa em comunicado.

Mercado de trabalho: desemprego sobe para 7,8% em fevereiro, mas emprego com carteira bate recorde histórico

Vagas: Citigroup faz nova rodada de corte de empregos, inclusive de diretores, nas áreas de TI e telecomunicações

A empresa, presidida pelo magnata argentino Marcos Galperín, deve o seu crescimento nos últimos anos principalmente à sua operação no México e no Brasil, onde incorporará 8.200 e 6.500 pessoas respetivamente.

Também opera no seu país de origem, a Argentina, onde empregará mais 1.800 pessoas este ano, bem como na Colômbia, onde recrutará 900, no Chile (360), no Uruguai, no Peru, no Equador e na Venezuela.

“Estamos comprometidos com a inclusão e o desenvolvimento tecnológico e socioeconómico da nossa região e para isso continuaremos a contratar os melhores talentos”, detalhou Sebastián Fernández Silva, responsável de recursos humanos da empresa, no comunicado.

Cerca de 25 anos após sua criação, a empresa de tecnologia tornou-se a empresa latino-americana com maior valor de mercado em 2020, segundo a revista Forbes. A empresa começou como plataforma de compra e venda de produtos, depois continuou com o desenvolvimento de serviços financeiros que resultou em sua estreia: a carteira virtual Mercado Pago, muito popular na Argentina e no Uruguai.

 

Artigo anteriorEletrobras quer cortar salário de funcionários e ter flexibilidade para demitir
Próximo artigoFortuna do bilionário mais rico do mundo aumenta US$ 5,7 bi em apenas um dia