Lula diz que subida do dólar ‘preocupa’ e que há ‘jogo especulativo contra o real’

Presidente ainda disse que o governo vai adotar medida para conter a alta da moeda americana, mas que não pode falar porque estaria "alertando" seus "adversários"

18
Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (Foto: Reprodução)

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou em entrevista nesta terça-feira que a subida do dólar o preocupa e que a alta constante da moeda faz parte de um jogo “especulativo” e de “interesses” contra o real. Ontem, a moeda americana fechou em R$ 5,65, o maior patamar desde janeiro de 2022. Nesta terça-feira, abriu em alta de novo.

— Obviamente que me preocupa essa subida do dólar, é uma especulação, é um jogo de interesses especulativo contra o real nesse país. E eu tenho conversado com as pessoas sobre o que a gente vai fazer. Estou voltando (para Brasília) e quarta-feira terei uma reunião, porque não é normal o que está acontecendo, não é normal — disse o presidente em entrevista à rádio Solidariedade, de Salvador (BA).

Questionado se o governo vai adotar alguma medida para conter a depreciação do real, Lula afirmou que é necessário tomar alguma atitude, mas não revelou o que seria:

— Temos que fazer alguma coisa, mas não posso falar porque estaria alertando meus adversários.

Presidente do BC tem ‘viés político’, diz Lula

O presidente voltou a criticar a atual gestão do atual presidente, Roberto Campos Neto, e afirmou que o comandante da autoridade monetária tem “viés político”.

— O que não dá é você ter alguém dirigindo o Banco Central com viés político. Definitivamente eu acho que ele tem um viés político. Mas veja, eu não posso fazer nada. Ele é presidente do BC, tem mandato, foi eleito pelo Senado, tenho que esperar acabar o mandato e indicar alguém — disse Lula.

Lula, no entanto, defendeu que a autonomia da autoridade monetária deve ser mantida, mas ressaltou que o Banco Central não pode servir “ao sistema financeiro”.

Lula, no entanto, defendeu que a autonomia da autoridade monetária deve ser mantida, mas ressaltou que o Banco Central não pode servir “ao sistema financeiro”.

— Mas eu acho que a gente precisa manter o Banco Central funcionando de forma correta, com autonomia, para que o presidente do BC não fique vulnerável às pessoas políticas. No entanto, Lula Se você é um presidente democrata, permite que isso aconteça sem nenhum problema. Mas Banco Central não pode estar a serviço do sistema financeiro, é um banco do Estado.

Excesso de gasto

Na entrevista, Lula ainda contou que pediu para que o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, apresente um estudo que indique onde existe excesso de gastos do governo.

— Tenho dito para todo mundo, esses dias falei com Haddad. Falei Haddad, você me apresenta excesso de gasto. Porque se tiver excesso de gasto, se alguém estiver gastando alguma coisa que não seja necessária, aplicando mal o dinheiro, a gente para. Porque também não vou jogar dinheiro fora. Vamos cuidar disso — afirmou.

No entanto, segundo o presidente, esse corte de excesso de gastos não pode resultar no fim de benefícios “de pobre”.

— O que eu não posso é aceitar a ideia de que precisa acabar com benefício de pobre, de que salário mínimo está custando muito caro, Bolsa Família está custando muito caro, política de ajudar investir em faculdade — disse Lula.

Conforme O GLOBO mostrou, o governo prevê economizar entre R$ 20 bilhões e R$ 30 bilhões com a revisão de cadastros de benefícios no ano que vem. Os recursos são necessários para alcançar a meta fiscal de 2025, que prevê resultado zero, e já devem constar do Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA), a ser enviado ao Congresso até 31 de agosto.

Agenda no Nordeste

Em seguida, o presidente continua a agenda de viagem ao Nordeste nesta terça-feira, onde participará de uma caminhada em Salvador e de anúncio de entregas no Recife.

Pela manhã, a cerimônia na capital da Bahia é pela celebração da independência no estado em 1823, quando forças portuguesas que resistiam à declaração no ano anterior foram derrotadas.

No Recife, Lula participa da cerimônia de entrega de 448 unidades habitacionais. Na ocasião, também serão anunciados dois novos campi: um na capital do Instituto Federal de Pernambuco; e outro em Sertânia (PE), o Campus do Sertão da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Na mesma solenidade, será feito o anúncio da inclusão de duas maternidades do Novo PAC, em Ouricuri e Garanhuns. Lula também participa da assinatura de contrato do programa de regularização fundiária na periferia.

Artigo anteriorConselhão propõe criação de tabela Fipe para mercado imobiliário ao presidente Lula
Próximo artigoStartup de aluguel por temporada cresce 100% ao ano com modelo de franquias