INSS alerta para ação de golpistas se passando por servidores em falsa prova de vida. Entenda

9

A Advocacia-Geral da União (AGU) foi acionada e imagens devem ser encaminhadas à Polícia Federal para identificação dos suspeitos

Golpistas têm se passado por servidores do governo federal para enganar aposentados e pensionistas numa suposta “prova de vida presencial” do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). O órgão emitiu um alerta nesta sexta-feira (dia 19) para a atuação dos criminosos, e afirmou que não está nenhuma realizando pesquisa externa.

De acordo com o Instituto, imagens que mostram a atuação dos golpistas – inclusive com uso de crachá falso – chegaram ao INSS na última quinta-feira (dia 18), e serão encaminhadas à Procuradoria Federal Especializada, órgão ligado a Advocacia-Geral da União (AGU), que envia à Polícia Federal para identificação dos suspeitos e de como tiveram acesso aos dados dos beneficiários.

O instituto orientou que os beneficiados não devem fornecer qualquer informação a supostos servidores, e devem acionar a polícia.

“Nenhuma prática que vise prejudicar ou extorquir aposentados, pensionistas e segurados em geral passará impune. Todas as denúncias serão encaminhadas para apuração para que as medidas cabíveis sejam tomadas. Sejam elas quais forem”, advertiu o presidente do INSS, Alessandro Stefanutto, em nota.

Atenção aos cuidados

Segundo o INSS, os atendimentos presenciais acontecem apenas para comprovação de vínculo, endereço e irregularidades, por exemplo. No entanto, os servidores não pedem cópia de documentos e nem fotografia.

“O servidor apenas faz o reconhecimento conferindo o documento de identificação com foto. Em caso de dúvida, o beneficiário deve pegar nome completo e matrícula do suposto servidor e ligar gratuitamente para a Central de Atendimento 135 para confirmar se a pessoa é realmente do INSS”, recomenda o órgão.

Prova de vida suspensa

Uma portaria publicada pelo INSS no Diário Oficial da União no início de março determinou que até 31 de dezembro de 2024 o instituto não vai bloquear ou suspender benefícios por falta de comprovação da prova de vida dos beneficiários.

Além da orientação para o não bloqueio dos benefícios sem prova de vida até o fim do ano, a portaria muda o período da contagem de dez meses para a comprovação. Em vez de a contagem partir da data de aniversário do segurado, ela agora começa da data da última atualização do benefício ou mesmo da última prova de vida.

Além da orientação para o não bloqueio dos benefícios sem prova de vida até o fim de 2024, a portaria muda o período da contagem de dez meses para a comprovação. Em vez de a contagem partir da data de aniversário do segurado, ela agora começa da data da última atualização do benefício ou mesmo da última prova de vida.

Na época, o anúncio levou ao aumento da procura por atendimento presencial nas agências da Previdência Social.

Após a repercussão, o órgão publicou uma nota reforçando que o “próprio INSS fará a busca ativa” e que aposentados e pensionistas não precisavam se deslocar aos bancos ou agências do INSS.

 

Artigo anteriorCampos Neto volta a dizer que núcleo da inflação segue mais alto do que no passado
Próximo artigoFazenda estima ganho de R$ 6 bi com distribuição de dividendos da Petrobras