Indústria deve estar atenta para que Reforma Tributária não seja desvirtuada no Congresso, diz Haddad

55

Ministro discursou em inauguração de nova sede da associação que representa montadoras

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse que a aprovação das leis complementares para a regulamentação da Reforma Tributária, que devem ser enviadas ao Congresso na próxima semana, e do Marco Legal das Garantias, sancionado pelo presidente Lula em outubro passado, abrem caminho para a retomada da indústria brasileira. O ministro disse ser importante que o setor se mantenha vigilante durante a tramitação dos projetos complementares, para que a reforma não seja “desvirtuada”.

Quer comprar um carro elétrico? Especialistas respondem o que levar em conta

Carro elétrico: Brasil está no centro dos planos da chinesa BYD

Haddad discursou, nesta sexta-feira, no evento de inauguração da nova sede da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), que contou também com a presença também de Lula, do vice-presidente Geraldo Alckmin e dos ministros Alexandre Padilha (Relações Institucionais) e Ricardo Lewandowski (Justiça).

— Eu chamo atenção para a reforma tributária porque um dos desafios da reforma tributária é justamente o de melhorar a vida do industrial brasileiro. Nós queremos produzir mais, mais barato, melhor, exportar muito, desonerando investimentos, desonerando exportações, fazendo com que os produtos industriais tenham uma alíquota de imposto de valor agregado menor — afirmou o ministro.

Em seguida, Haddad alertou o setor sobre a tramitação da matéria no Congresso:

— Como o presidente Lula deve encaminhar ao Congresso Nacional a regulamentação da reforma, é muito importante que a indústria, como um todo, esteja atenta a essa regulamentação para que essa reforma não seja desvirtuada — disse o ministro.

Crédito imobiliário: para ampliar modalidade em R$ 300 bi, estatal terá aporte. Compulsório da poupança será menor

Outro ponto que pode ajudar a indústria, segundo o ministro, foi a aprovação do Marco Legal das Garantias, em outubro de 2024. O texto permite que um mesmo imóvel possa ser usado como garantia em mais de um financiamento. Além disso, o marco descomplicou a execução de dívidas por bancos e outros credores em caso de inadimplência.

Haddad afirmou que os bancos e as montadoras precisam se “adequar rapidamente” às mudanças implementadas pelo Congresso e baixar os spreads — diferença entre a taxa cobrada pelas empresas ao consumidor e a taxa de captação desses recursos — para aumentar as vendas.

— Os bancos e as montadoras têm que se adequar rapidamente, baixar os spreads, porque hoje se desjudicializou a retomada dos bens alienados. Tem que fazer o spread cair e as vendas subirem — disse o titular da Fazenda.

De acordo com Haddad, o Brasil tem como vantagem o movimento da indústria nacional em em direção a práticas mais sustentáveis, reduzindo as emissões de carbono, o que coloca o país na fronteira da produção verde e torna os produtos brasileiros mais atrativos.

— Os nossos vizinhos precisam voltar a comprar da gente, se a gente melhorar a qualidade e a eficiência da nossa produção […]. O vice-presidente Alckmin está liderando um processo muito importante de valorização da nossa indústria que agrega inclusive a questão da proteção da indústria contra a concorrência predatória do exterior. Está à frente de um processo de fortalecer a nossa indústria e colocar ela na fronteira da transformação ecológica.

Artigo anteriorAutor de ação que afastou presidente do Conselho da Petrobras já representou outras três vezes contra estatal
Próximo artigoDia Mundial do Café: cafeterias e lojas de chocolate fazem promoções e dão brindes em todo o país. Veja ofertas