Haddad diz que notícias econômicas desta semana aumentaram incerteza global

6

Segundo o ministro, é preciso cautela para acompanhar as próximas semanas, porque deve haver um reposicionamento mundial

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse nesta quinta-feira em coletiva de encerramento do G20 em meio às reuniões de primavera do FMI e Banco Mundial, em Washington, que as notícias econômicas desta semana trouxeram uma nova perspectiva global. Segundo o ministro, com uma reversão drástica de expectativas, agora há incertezas de como as variáveis macroeconômicas devem se “comportar ao redor do mundo”.

G20 no Brasil: Haddad defende reforma de bancos multilaterais para melhorar acesso a financiamento justo e sustentável

Campos Neto e Haddad nos EUA: Campos Neto reforça que BC intervém no câmbio somente para corrigir mau funcionamento

— Nos Estados Unidos, na Europa, no Brasil, nos países emergentes e assim por diante. Como disse o Roberto (Campos Neto), é um momento agora em que essas placas eletrônicas estão se acomodando e nós temos que ter um pouco de cautela para saber quando é que isso vai parar — disse Haddad ao comentar que os movimentos da semana que levaram à desvalorização do real frente ao dólar.

De acordo com o ministro, houve reversão de expectativas sobre o corte de juros da economia dos EUA pelo Federal Reserve (Fed), o banco central americano, e que é preciso entender melhor esses impactos que, na avaliação dele, devem ter repercussão “global”.

— Não é pouca coisa que vai acontecer. Mas é importante o que aconteceu e nós temos que ter uma cautela e acompanhar os próximos dias e semanas, porque vai haver um reposicionamento global — falou Haddad.

O ministro disse ainda que em conversou com o presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto, sobre as divulgações dos resultados de inflação do Brasil e dos Estados Unidos nesta semana.

— De fato, havia uma clara sinalização de muitas apostas para o mercado. Quando o mercado aposta forte, qualquer reversão de expectativa machuca muito o investidor. E o mercado estava muito comprado na tese de que, de fato, em algum momento do primeiro semestre — destacou Haddad, que concluiu dizendo que havia razões para acreditar nisso já desde o ano passado.

— Porque, de fato, a sinalização da autoridade monetária dos Estados Unidos era essa. Quando veio o susto de março, houve uma reversão drástica de expectativas e isso mudou muito os rumores em relação a como vão se comportar as variáveis macroeconômicas no mundo afora — disse.

O ministro Fernando Haddad está na capital dos Estados Unidos para as reuniões de primavera do FMI e Banco Mundial e G20. O ministro antecipou seu retorno ao Brasil para a noite desta quinta-feira para se dedicar à agenda econômica em Brasília, onde o Executivo busca a aprovação no Congresso de projetos estratégicos para a agenda econômica do país. Ainda em Washington, o ministro Haddad terá encontros com o senador americano Bernie Sanders e uma reunião bilateral com o ministro de finanças da China.

(*Especial para O GLOBO)

 

Artigo anteriorAté R$ 2,3 bilhões: Conheça as quatro famílias de aviões da Boeing, alvo de investigação nos EUA
Próximo artigoImportação de gás da Argentina pode abastecer o mercado brasileiro com 3 milhões de metros cúbicos por dia