Governo pagará empresa que vai operar base aérea de Canoas se tarifas não cobrirem custos

Check In e movimentação de passageiros será em shopping próximo a estrutura

11
Base aérea de Canoas, Rio Grande do Sul

Para facilitar o início imediato das operações civis na base aérea de Canoas, o governo vai repassar recursos do Orçamento da União à Fraport, concessionária do aeroporto de Porto Alegre e que assumirá as operações de voos comerciais no terminal militar. Segundo resolução da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a empresa terá direito de ser ressarcida, caso as tarifas de embarque não sejam suficientes para cobrir os custos.

Além do Orçamento, a decisão da Anac, a pedido do Ministério de Portos e Aeroportos, autoriza repasses do Fundo Nacional de Aviação Civil (Fnac), caso os prejuízos persistam. A empresa precisa enviar relatórios à Anac até o dia 15 de cada mês, informando detalhes de custos e despesas de operação.

O aeroporto de Porto Alegre está interditado desde o dia 3 de maio por conta das chuvas que alagaram todo o sítio aeroportuário. Não há previsão de quanto o aeroporto voltará a operar, mas não deverá ser antes de setembro. Isso porque todos os sistemas do sítio foram afetados, sobretudo a pista. Além de reparos, a pista precisará passar por vários testes com vistas à segurança, o que demandará tempo.

Para contornar essa situação, o governo autorizou o uso da base de Canoas pela aviação civil.

Check-in e despacho no shopping

Um convênio entre a Fraport e o ParkShopping Canoas vai permitir que os passageiros com que vão sair da da base façam check-in e despacho de bagagens no estabelecimento comercial, que fica a uma distância de 20 quilômetros do terminal. Eles serão transportados de ônibus para a base e embarcarão diretamente nas aeronaves da pista.

Não há sala de embarque na base aérea, que é praticamente uma oficina para voos militares, disse um interlocutor. A utilização da base é uma medida emergencial para restabelecer a conectividade no estado, disse um executivo ligado às empresas.

A Fraport deverá completar a infraestrutura do terminal, como equipamentos de solo, por exemplo, nas próximas 48 horas. Esses equipamentos estão sendo trazidos de outros aeroportos. Na noite desta segunda-feira, a empresa fez trabalhos de pintura de pista e estacionamento de aeronaves, de acordo com exigências da Anac.

Azul e Latam já abriram as vendas e todas devem começar a operar a partir de 1º de junho. O governo liberou cinco voos diários na base, o que atenderia 8 mil passageiros por semana, considerando uma aeronave de 180 lugares. A base tem estrutura para atender voos de todas as aeronaves que operam em rotas doméstica no país, como Embraer, Airbus A320 e Boeing 737.

Nessa primeira fase de vendas, as companhias vão medir a demanda. Portanto, não significa que haverá cinco voos diários. Os horários de pouso e decolagens (slots), estão sendo negociados com a Anac.

O aeroporto de Porto Alegre recebia por semana cerca de 90 mil usuários. Mas a expectativa é que essa demanda demore um tempo para se recuperar porque os voos para o aeroporto eram concentrados no segmento de turismo, sobretudo para a Serra Gaúcha, e corporativo e, vários municípios do estado precisarão ser reconstruídos.

Artigo anteriorSaída de Prates da Petrobras se deu porque governo quer acelerar investimentos, diz Silveira
Próximo artigoCom dívidas de R$4,14 bi, Unigel entra com pedido de recuperação extrajudicial