Governo espera que acordo do G20 para taxar super-ricos seja feito até novembro

8

Fernando Haddad, ministro da Fazenda, disse que mundo pode estar à beira de crise de dívida

Grupo que reúne as 20 maiores economias do planeta, a União Europeia e a União Africana, o G20 pode chegar a um acordo sobre a taxação de super-ricos até novembro, disse o ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT).

Canal do EXTRA no Whatsapp: Entre no canal Servidor Público e não perca as principais notícias

Em viagem aos Estados Unidos, Haddad destacou que o governo do presidente Joe Biden apoia a medida, proposta pelo Brasil, que exerce a presidência do G20 até novembro deste ano.

– Podemos, em julho, e depois, em novembro, soltar um comunicado político com um consentimento dos membros do G20 dizendo que, sim, essa proposta precisa ser analisada, tem procedência e que vale a pena, ao longo de três ou quatro anos, nos debruçarmos sobre ela para ver sobre o que nós estamos falando – disse o ministro, em entrevista coletiva ao lado do ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire.

Apesar do aparentemente entrosamento, o gestor sinalizou ser necessário que os países do G20 tratem o assunto como prioridade nos próximos anos. Segundo Haddad, é preciso haver coordenação internacional porque a taxação por apenas um país seria ineficaz e criaria conflitos de interesse. Com informações da Agência Brasil.

– Se algum país achar que vai resolver esse tipo de injustiça sozinho, ele vai ser prejudicado por uma espécie de guerra fiscal entre os Estados nacionais – advertiu.

Em relação ao engajamento de outros países, Haddad citou o governo do presidente Joe Biden como potencial aliado.

– Especificamente, a administração Biden tem dado sinais claros de que algo precisa ser feito [sobre a taxação de super-ricos]. Ou no plano doméstico, ou no plano internacional.

Sobre o Brasil, o ministro da Fazenda disse ser necessária vontade política para que a proposta avance. De acordo com o político, o comunicado conjunto do G20 deverá ter três eixos: o intercâmbio de dados entre os países; o apoio técnico da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE); e um prazo curto para implementação das medidas, que mostre o compromisso dos países com a taxação.

Veja: Rioprevidência publica lista de 3,2 mil pensionistas que correm risco de ter benefício suspenso

O ministro francês Bruno Le Maire declarou concordar com a necessidade de aprovação da medida.

– Essa é apenas uma questão de vontade política e de determinação política.

Endividamento

Haddad ainda afirmou que o mundo pode estar à beira de uma nova crise de endividamento, após os gastos com a pandemia de covid-19 e a alta da inflação no planeta. Ele afirmou que nenhum país conseguirá superar o problema isoladamente. Segundo o gestor, a taxação dos mais ricos é essencial para reduzir a dívida.

Entenda: Em greve, servidores da educação vão receber proposta de reajuste e reestruturação na sexta-feira

– As conversas sobre tributação estão explorando formas inovadoras de fazer com que super-ricos paguem sua justa cota de impostos, contribuindo, assim, para ampliar o espaço fiscal adicional para a implementação de políticas públicas contra a fome e a pobreza – declarou.

 

Artigo anteriorBeneficiários do INSS começam a receber o 13º salário a partir da próxima quarta-feira
Próximo artigoFeriadão do G20: saiba quais categorias terão folga e os direitos de quem vai trabalhar