Globo Rural realiza Fórum Futuro Agro em junho para discutir relação entre meio ambiente e produção agrícola

Evento reunirá especialistas, produtores rurais, indústrias, bancos e entidades representativas para debater perspectivas para o setor

8
Fórum discutirá relação entre meio ambiente e produção agrícola — Foto: Pablo Jacob

No Dia Mundial do Meio Ambiente, 5 de junho, a Globo Rural vai realizar, em São Paulo, a terceira edição do Fórum Futuro Agro, em parceria com o Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora). O evento reunirá especialistas, produtores rurais, indústrias, bancos e entidades representativas para discutir as perspectivas do comércio agropecuário brasileiro em um ambiente internacional cada vez mais exigente, em especial as relações com os grandes parceiros, União Europeia e China.

O bloco europeu já não é o maior destino de produtos agrícolas do Brasil, mas continua sendo um importante formador de opinião e de tendências. A China, maior cliente do agronegócio brasileiro, começa a cobrar mais informações sobre a origem e os processos dos produtos que compra do Brasil.

A programação do Fórum inclui três painéis pela manhã e um na parte da tarde.

— Vamos não só debater, mas sim propor ações práticas, que precisam ganhar escala no Brasil e que mantenham o país como uma potência mundial no fornecimento de alimentos — afirma Cassiano Ribeiro, editor-executivo da Globo Rural.

Isabel Garcia Drigo, diretora de clima, uso da terra e políticas públicas do Imaflora, acrescenta:

— Temos de mudar a maneira que produzimos alimentos no Brasil e no mundo, pra que tenhamos maior resiliência dos territórios e dos ecossistemas onde esses alimentos são produzidos. Vamos desvendar o que concretamente as grandes empresas do agro estão colocando em prática, pra dar conta desse desafio que é transformar os sistemas alimentares pra serem mais resilientes às mudanças climáticas.

O Fórum terá cobertura especial no site e nas redes sociais da Globo Rural, nos jornais O Globo e Valor e na Rádio CBN.

Artigo anteriorHaddad defende cota para importação de aço e diz que patamar de consumo hoje é ‘inaceitável’
Próximo artigoNa produção de frutas do RS, o maior impacto das chuvas ainda está por vir, dizem produtores