Debates sobre cidades inteligentes, IA, ESG e perspectivas marcam Fórum Inovar e Construir

13
Fórum Inovar e Construir (Foto: Reprodução / Divulgação)

O Fórum Inovar e Construir, promovido pelo Sinduscon-JP nesta quarta-feira (22), como parte da comemoração dos 45 anos de fundação da entidade, foi aberto com um discurso inspirador do presidente Wagner Breckenfeld. Ele falou sobre o momento próspero que a construção civil vive na capital paraibana e sobre a importância do setor, que representa um terço do PIB da indústria da Paraíba, com índices, nos últimos anos, superiores à média nacional.

Leia mais: ENCONTRO DOS AMIGOS EM BANANEIRAS: AVENTURA OFF-ROAD E   CONFRATERNIZAÇÃO NO VINESSE WINE AND LIVING

Breckenfeld suscitou uma reflexão sobre o papel transformador do Sindicato na cidade, questionando: “Quem era João Pessoa antes e quem é hoje?”, em referência ao período compreendido entre as décadas de 70 e 2000 e sobre sucessivas polêmicas criadas, enfatizou que entidade não apóia nem construção de espigões nem lançamento clandestino de esgotos.

“Lutamos sim, por meio de boas relações institucionais e ações concretas para garantir o cumprimento das legislações pertinentes e o bem-estar da população”

Wagner Breckenfeld

Cidades inteligentes e sustentáveis

Na sequência, André Agra, consultor e especialista em gestão sensível para cidades inteligentes e sustentáveis, proferiu dinâmica e enriquecedora palestra sobre a implementação de conceitos práticos para o desenvolvimento urbano e mostrou a necessidade de uma abordagem holística na construção civil, que vá além da edificação de prédios inteligentes, abrangendo a criação de cidades tecnológicas, sustentáveis e resilientes.

“Nesse contexto, o Sinduscon-JP tem um papel importante, pois representa um segmento gerador de prosperidade em João Pessoa e em toda a Paraíba”, declarou. Para ele, não se deve focar apenas na construção de prédios ou de casas inteligentes, mas na criação de cidades que adotem tecnologias para evitar alagamentos, proteger áreas de risco, limpar rios, promover qualidade de vida e arborização e ter protagonismo econômico e em políticas públicas.

“O Sindicato pode ser um grande aliado nessa luta, construindo um diferencial importante para a construção civil da Paraíba”

André Agra

Agra alertou para a integração dos empreendimentos imobiliários com o ambiente urbano e explicou que um prédio não deve ser apenas bonito e satisfatório para o cliente, mas deve dialogar com a rua e o entorno, garantindo que o bairro esteja em boas condições, que a temperatura seja agradável e que a mobilidade urbana não seja impactada negativamente.

Desmistificando ESG

A professora e consultora Juliana D’Ávila, especialista em gestão ambiental e sustentabilidade, tratou da importância da construção civil no desenvolvimento econômico e social, mas destacando a necessidade urgente de práticas de ESG. Ela salientou que a construção civil deve estar envolvida nas discussões e práticas de sustentabilidade, implementando políticas de ESG que tragam segurança e coerência aos investimentos em ações sustentáveis. Juliana enfatizou que essas práticas podem aumentar o desempenho financeiro e socioambiental dos players do setor nas regiões onde atuam.

IA na construção civil

Outro destaque da parte da manhã do Fórum, que conta com patrocínio Master da Caixa Econômica Federal, foi a palestra de Lucas Bicalho, especialista em Inteligência Artificial aplicada ao setor, que trouxe insights valiosos sobre os impactos e benefícios e focou em como essas tecnologias podem revolucionar o setor. Um dos principais benefícios discutidos foi a otimização da segurança do trabalho. Através de sistemas inteligentes de monitoramento, a IA pode identificar e prevenir riscos em tempo real, criando um ambiente de trabalho mais seguro e eficiente.

Além da segurança, o público presente viu como é possível transformar o planejamento de obras, reduzindo significativamente o número de etapas necessárias, automatizar processos complexos, permitindo um planejamento mais rápido e preciso, o que resulta em economias de tempo e recursos e como dashboards baseados em dados (data-driven) podem trazer valor à construção, proporcionando uma visão clara e integrada dos projetos.

“Isso permite uma melhor tomada de decisões, eliminando etapas desnecessárias e focando diretamente na produção do produto final, seja uma edificação, um comércio ou uma infraestrutura”

Às 14h, com a apresentação pelo Movimento Mais (Júnior Silva, CEO da Z2 AP, Leonardo Lima/Konstrol) e Marcelo Volker/VMV) de estratégias para o desenvolvimento de produtos imobiliários com foco no controle de custos e alta rentabilidade.

A programação prossegue com palestras do vice-presidente de Atacado Caixa, Tarso Duarte (atuação da rede de atacado da CEF na Paraíba e em todo Brasil), da diretora da rede de Atacado da CEF, Suely Buhiram (novidades do Setor Imobiliário de Atacado da Instituição), vice-presidente jurídico da CBIC, Fernando Guedes (principais temas jurídicos de interesse do setor da construção e do mercado imobiliário em 2024) e do Doutor em Ciência Política pela UnB, Leonardo Barreto (perspectivas para a construção civil a partir do encontro entre política e economia no Brasil).

Artigo anteriorHaddad bate boca com bolsonaristas em audiência na Câmara: ‘Faz o exame de DNA que vai saber quem deu calote’
Próximo artigoLula sanciona Perse com 30 setores e limite de R$ 15 bilhões para benefício fiscal