Fed decide hoje juro nos EUA, onde mercado espera 7ª manutenção seguida. Veja como isso afeta o Brasil

Banda atual do banco central americano, entre 5,5% e 5,25%, é o maior patamar desde o início de 2001. Juro está inalterado na maior economia do mundo desde o final de julho do ano passado

29
Federal Reserve - Foto: reprodução

O Federal Reserve (FED), o banco central americano, deve manter a sua taxa de juros inalterada entre 5,25% e 5,5% pela sétima vez seguida. A reunião do comitê de política monetária americana (Fomc, na sigla em inglês) acontece hoje, com a atenção do mercado financeiro em todo o mundo, inclusive no Brasil.

Nos últimos dias, os juros americanos têm sido apontados como um dos fatores que desvalorizam o real frente ao dólar.

Estudo do BC: Cerca de 8% dos empregos formais no RS estão próximos a áreas inundadas

Alta na Argentina: dólar paralelo bate novo recorde no país e atinge 1.300 pesos

A mesma pesquisa só aponta uma probabilidade maior de corte para a reunião de novembro — daqui a quatro encontros dos diretores da autoridade monetária da maior economia do mundo.

Movimento parecido é visto por casas ouvidas pela agência Bloomberg, entre bancos e gestoras. Todas as 102 consultadas apontaram para a manutenção do juro no patamar atual.

Mudança de perspectiva

No começo de 2024, o início da trajetória de queda da taxa americana era esperado para ser anunciado na reunião de março. Mas os dados positivos de emprego e anunciados desde então, demonstrando um aquecimento persistente na maior economia do mundo, já eram lidos como um motivo para a postergação do anúncio, que até agora não aconteceu.

E esses dados seguem demonstrando a resiliência da economia americana, o que dificulta a redução dos juros diante de um aquecimento da economia que ainda pode estimular a inflação. Na sexta-feira passada, dia 7, dados do chamado payroll, que compila as contratações de empregos nos , vieram bem acima do esperado, registrando 272 mil novas vagas em maio. A expectativa, segundo a agência Bloomberg, era de criação de 180 mil vagas no mês.

Já o índice de preços de consumo pessoal do mês de abril (PCE, na sigla em inglês) subiu 0,3% em abril, em linha com o esperado pelo mercado financeiro. Este é um índice bem analisado pela autoridade americana para a condução da política monetária. O núcleo da inflação, que exclui a contagem de preços mais voláteis, como alimentos e energia, também surpreendeu positivamente, avançando 0,2%. A expectativa de agentes era de que o dado avançasse 0,3%.

O mercado financeiro estará com os olhos voltados nesta quarta-feira para o pronunciamento do chefe da autoridade monetária americana, Jerome Powell, e a possível indicação do que o Fed fará à frente. A ata da reunião também vai divulgar as expectativas para as taxas futuras de PIB e inflação.

Decisão impacta negócios no mundo e no Brasil

A decisão de manter a taxa no patamar atual impacta os ativos de todo o globo, inclusive aqueles negociados no Brasil. Segundo o , que divulga as expectativas de mercado para diversos indicadores neste ano, a Selic (taxa básica de juros brasileira) deve terminar 2024 em 10,25%.

Isso significa que a mediana das projeções de mercado é de um corte de 0,25 ponto percentual na taxa básica brasileira até o fim do ano. Hoje ela está em 10,50%. Serão mais cinco reuniões em 2024, com a próxima daqui a uma semana, no dia 19 de junho.

A taxa americana nas alturas é um empecilho para a redução da Selic no Brasil. A remuneração alta em dólares de títulos americanos atrai investidores de todo o planeta. Isso dificulta que países emergentes reduzam suas taxas de juros sem perder fluxo de capital com um diferencial muito grande em relação à taxa americana.

Os títulos do tesouro americano são considerados os investimentos mais seguros do mundo, e dão menos dor de cabeça do que ativos de risco, como papéis de empresas listadas em bolsas. Elas podem até dar um retorno maior, mas a probabilidade e o risco são colocados na balança pelos agentes.

Quando a taxa brasileira está alta, isso atrai um volume grande de investimentos para a renda fixa no Brasil. Só que o Banco Central vem reduzindo, desde agosto do ano passado, a taxa Selic. Isso faz a diferença entre a taxa de juros dos EUA e a brasileira diminuir, tornando o ambiente por aqui menos atraente (confira o afunilamento no gráfico). Com menos dólares fazendo um caminho de entrada ao país, a moeda americana se valoriza aqui. Nos últimos dias, o dólar tem experimentado altas expressivas no Brasil.

O que é o Copom?

Para Fabiano Vaz, analista da Nord Research, além do impacto da taxa americana, a do Banco Central brasileiro e a instabilidade doméstica da situação fiscal devem impedir que a continuidade do processo de flexibilização monetária no Brasil:

— O ciclo de afrouxamento [da taxa Selic] está pressionado. Estamos muito próximos do fim do nosso ciclo de cortes. Já vemos a inflação desancorando [das metas]. Difícil imaginar alguma coisa diferente daqui pra frente.

O resultado da diminuição desse intervalo, segundo outro analista, já é refletido pelo dólar. Ontem, a moeda americana voltou a atingir a . O valor não chegava a esse nível desde o início de janeiro de 2023:

— Vemos o diferencial de juros já pressionado pelo câmbio. O dólar vem acelerando bastante, e a expectativa de inflação é maior. Há impacto e correlação entre os juros lá fora e os movimentos de política monetária aqui no Brasil — diz Frederico Nobre, chefe de análises da Warren Investimentos.

Dados divulgados pela B3 e compilados pelo Valor Econômico mostram que o fluxo negativo de investimentos estrangeiros em 2024 já ultrapassou, até junho, os R$ 38 bilhões.

Para Fernando Mundt, especialista em investimentos na Ável, o câmbio pode seguir pressionado por conta dos sinais de condução da política fiscal:

— A gente chegou num momento no Brasil em que o Orçamento faz sim, preço. Ele é o balizador dos players de mercado, para que eles tomem as decisões. Se eles trazem um movimento em que o mercado encare como responsabilidade com o fiscal, a tendência é que haja uma melhora — diz, elencando também a importância de dados macroeconômicos mais frios nos EUA para refletir numa queda da cotação.

Artigo anteriorCâmara aprova ‘taxa das blusinhas’; Imposto de Importação será de 20%
Próximo artigoFGTS: julgamento sobre rendimento das contas será retomado hoje no STF; veja o que pode mudar