Em encontro com prefeito de SP, Enel se compromete a investir R$ 6,2 bilhões e contratar 1,2 mil funcionários

8

Distribuidora, que é alvo de críticas após apagões na cidade, prometeu a Ricardo Nunes reforçar atendimento em campo

Alvo de críticas pelos apagões em São Paulo, inclusive com pedido da prefeitura à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para que seja cancelado o contrato de concessão na cidade, a Enel apresentou ontem ao prefeito Ricardo Nunes, um plano de investimento para reforçar a resistência de sua rede elétrica e melhorar a qualidade do serviço prestado. A companhia prometeu um investimento de R$ 6,2 bilhões, até 2026, na área que engloba a capital e 23 municípios.

Editorial: além das falhas da Enel, apagões expuseram limite da Anell

A companhia também se comprometeu a contratar 1,2 mil funcionários, reforçando o atendimento em campo. A falta de funcionários é uma das críticas do Sindicato dos Eletricitários de São Paulo pela demora na resolução dos problemas e soliticação dos clientes.

O diretor global da Enel, Alberto de Paoli e o presidente da Enel Brasil, Antonio Scala, se reuniram com o prefeito para detalhar o aumento do investimento anual do patamar de R$ 1,4 bilhão, desde a aquisição da Eletropaulo, para R$ 2 bilhões.

A empresa também afirmou ao prefeito que vai intensificar a manutenção preventiva, com o aumento do número de podas e modernização da rede elétrica.

O plano para melhorar a qualidade do serviço, o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, anunciou no início de abril que determinou à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) a abertura de um processo disciplinar para investigar o que ele chama de “transgressões reiteradas” da concessionária Enel em São Paulo. O processo pode levar até a caducidade da concessão.

“Vou continuar a fiscalização e cobrança por mais empenho da empresa, além de buscar no ente Federal alteração na lei para ampliar esse poder por parte da Prefeitura. No entanto, diante da abertura de novo diálogo e protocolo de ações emergenciais proposto, fica meu voto de confiança”, declarou o prefeito em nota.

No plano apresentado ao prefeito, a Enel detlahou que as contratações devem acontecer nos próximos 12 meses. A distribuidora se comprometeu a modernizar trechos da rede de média e baixa tensão, com a instalação de redes compactas mais resistentes, além da instalação de mais equipamentos de automação que permitem manobras remotas de cargas quando há falta de energia. Essa configuração também permite a utilização de geradores para atender os clientes sem energia, em casos de emergência.

A Enel também prometeu quadruplicar as equipes em campo em casos de emergência e dobrar a ca´pacidade de atendimento dos canais de atendimento em situações críticas. A empresa e a prefeitura sugeriram a criação de uma força-tarefa conjunta e um canal de comunicação para priorizar o atendimento na cidade. Em relação às podas, a Enel pediu a renovação do convênio com a Prefeitura para dobrar o número de cortes preventivos.

 

Artigo anteriorGoverno quer avaliação do serviço de energia elétrica por bairro, diz ministro
Próximo artigoPresidente da Petrobras descarta aumento de preços dos combustíveis