Dona da Saks adquire a Neiman Marcus por US$ 2,65 bi, criando um gigante do varejo de luxo

Acordo cria a Saks Global, como a nova empresa será chamada, com 75 lojas combinadas, além de 100 pontos de venda de produtos fora do padrão de preço

14
Saks adquire a Neiman Marcus por US$ 2,65 bi — Foto: Jeenah Moon/Bloomberg

Em um movimento que consolidaria ainda mais o mercado de varejo de luxo, a empresa controladora da Saks Fifth Avenue concordou em adquirir a Neiman Marcus em um negócio de US$ 2,65 bilhões, criando o gigante das lojas de departamento de alto padrão, anunciaram as empresas.

O acordo, que já era objeto de rumores desde que a Neiman Marcus entrou com pedido de proteção contra falência durante a pandemia da Covid-19, ocorre pouco mais de quatro anos depois que a Saks comprou a licença do nome Barneys após a falência do grupo. Ela também segue uma onda de fracassos do varejo eletrônico de luxo, incluindo os da FarFetch e Matches.com.

A Saks é propriedade da HBC, um conglomerado de varejo que comprou a cadeia americana em 2013 – um ano depois que a HBC também adquiriu a Lord & Taylor.

“Os clientes adoram ir a uma loja”, disse Richard Baker, executivo-chefe e presidente da HBC, ao The New York Times. “Eles adoram tocar em um produto e passar tempo com seus compradores pessoais.”

A aquisição da Neiman Marcus torna a Saks Global, como o novo grupo será chamado, empresa dominante em seu mercado, com 75 lojas combinadas (incluindo duas unidades da Bergdorf Goodman), além de 100 pontos de venda de produtos fora do padrão de preços.

Os únicos rivais reais do novo grupo nos Estados Unidos serão a Macy’s, que também inclui a Bloomingdale’s, e a Nordstrom. Ele será administrado por Marc Metrick, atual executivo-chefe da Saks e da Saks.com.

As empresas disseram que planejavam investir em tecnologia, incluindo inteligência artificial, bem como em marcas antigas e emergentes.

“A Saks permaneceu firme em nosso compromisso de estar na vanguarda da moda de luxo, atendendo aos clientes não apenas onde eles estão, mas para onde eles estão indo”, disse Metrick.

Os duas varejistas são vistas há muito tempo como possíveis parceiros, dada a sobreposição de suas bases de clientes de alto padrão. No entanto, cada uma delas tem enfrentado dificuldades financeiras, o que tem representado complicações significativas para seus esforços de combinação ao longo dos anos.

O que pode ter ajudado a fechar o negócio é o apoio da Amazon, que está adquirindo uma participação minoritária na Saks Global. A HBC, que também é proprietária da cadeia de lojas de departamento canadense Hudson’s Bay, está financiando a aquisição com os US$2 bilhões que conseguiu dos investidores existentes, enquanto afiliadas da firma de investimentos Apollo Global Management estão fornecendo $1,5 bilhões em dívida.

Artigo anteriorParaíba permite instalação de empresas em presídios com foco em empregar reeducandos
Próximo artigoSalão Imobiliário dentro da Multifeira Brasil Mostra Brasil tem espaços ampliados