Departamento de Justiça dos EUA pretende processar a Live Nation por monopólio

Produtora de shows e eventos é acusada de violar acordo, segundo o qual, prometeu que não iria retaliar as casas de shows que optassem por não usar a Ticketmaster, da qual assumiu o controle em 2010

7
Taylor Swift no show da 'Eras Tour', do qual foi responsável pelos ingressos — Foto: JUTHARAT PINYODOONYACHET/The New York Times

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos e um grupo de estados vão processar a produtora de shows e eventos Live Nation Entertainment por violações antitruste relacionadas ao controle incomparável de sua subsidiária Ticketmaster sobre a venda de ingressos para shows, de acordo com pessoas familiarizadas com o caso.

Leia mais:Nvidia: gigante dos chips de IA surpreende outra vez com alta de 628% no lucro no 1º tri

A ação deve ser apresentada no Distrito Sul de Nova York amanhã, disseram. A disputa visa buscar soluções, incluindo o desmembramento da Live Nation, disseram as fontes, que pediram para não serem identificadas por estarem discutindo informações confidenciais.

As ações da Live Nation caíram 10% no final do pregão após a reportagem da Bloomberg sobre o processo planejado pelo Departamento de Justiça.

O Departamento de Justiça se recusou a comentar. A Live Nation não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários.

A ação é o mais recente processo antitruste movido pelo governo Biden, que fez da concorrência um componente-chave de sua política econômica, movendo processos contra empresas como o Google, da Alphabet, e a Amazon.com.

A Live Nation, maior promotora de shows dos EUA, fundiu-se com a gigante de venda de ingressos Ticketmaster em 2010. O Departamento de Justiça, do presidente Barack Obama analisou a transação e permitiu que ela fosse adiante como parte de um acordo no qual a empresa prometeu que não retaliaria as casas de shows que optassem por não usar a Ticketmaster.

Sob a administração do presidente Donald Trump, o departamento de Justiça descobriu que a Live Nation havia violado repetidamente essa promessa e entrou em um acordo modificado com a empresa em 2019 para impor um monitor externo para investigar outras alegações.

O governo de Joe Biden abriu uma nova investigação sobre a empresa em 2022, em meio a preocupações contínuas de que a Live Nation não havia cumprido os termos do acordo. O caso despertou um interesse público generalizado depois que a Ticketmaster não atendeu à enorme demanda por ingressos para o show da cantora Taylor Swift no final daquele ano.

O Departamento de Justiça de Biden já entrou com processos duplos de monopolização contra o Google e, em março, processou a Apple por supostamente impedir a inovação em seu iPhone.

A Comissão Federal de Comércio, que aplica conjuntamente as leis antitruste, está tentando forçar a Meta Platforms a vender suas unidades do Instagram e do WhatsApp e processou a Amazon no ano passado por monopolização de serviços de mercado on-line.

Artigo anteriorCâmara adia votação de projeto para volta do imposto para importações de até US$ 50, medida que atinge Shein e Shopee
Próximo artigoMega-Sena sorteia prêmio de R$ 42 milhões nesta quinta-feira