‘Corrida dos bilionários’: ranking animado mostra vaivém no top 10 dos mais ricos do mundo

6

Números compilados pelo GLOBO mostram ‘dança das cadeiras’ na lista de maiores fortunas do planeta da Forbes

Segundo homem mais rico do mundo, com quase US$ 200 bilhões na carteira, Elon Musk não tinha sequer metade da fortuna do 10º no ranking da Forbes há apenas 5 anos. O fundador da Tesla e polêmico dono do X (ex-Twitter) tinha, em 2019, “apenas” US$ 22,3 bilhões no bolso.

Lista de bilionários da Forbes 2024: Veja os 10 mais ricos do mundo

Dono da Louis Vuitton: Fortuna do bilionário mais rico do mundo aumenta US$ 5,7 bi em apenas um dia

O francês Bernard Arnault — número 1 dos bilionários do mundo e dono de um império de luxo que ele próprio fundou ao comprar a Christian Dior por US$ 15 milhões em 1984 — não chegou a ter uma ascensão meteórica como Musk ou Jeff Bezos, da Amazon: sua fortuna subiu “somente” de US$ 76 bilhões em 2019 para US$ 233 bilhões agora.

Veja, em ranking animado elaborado pelo GLOBO, o vaivém no Top 10 do ranking da Forbes. Você vai se surpreender com nomes que nem imaginava na lista de 2019. E leia, mais abaixo, o perfil destes ricaços.

Conheça um pouco mais da biografia dos homens mais ricos do planeta:

Bernard Arnault

Bernard Arnault nasceu em 1949 em Roubaix, no Norte da França. Filho de um empresário do setor de construção civil, usou os recursos da família para comprar, em 1984, por US$ 15 milhões, a Christian Dior. Foi o pontapé inicial de seu império de luxo.

Hoje o conglomerado LVMH tem 75 marcas de luxo, moda e cosméticos, como Louis Vuitton, Möet Chandon e Sephora. Em 2021, comprou a Tiffany, um ícone da joalheria americana, por US$ 15,8 bilhões, no que foi considerado a maior aquisição de uma empresa de luxo da história. É justamente neste ano que a sua fortuna dá um salto.

O veículo de participações acionárias da família Arnault, a Aglaé Ventures, tem investimentos na Netflix e na ByteDance, dona do TikTok.

Arnault tem cinco filhos – Delphine e Antoine, de 48 e 46 anos, respectivamente, de seu primeiro casamento; Alexandre, Frédéric e Jean, de 31, 29 e 25 anos – e todos trabalham na LVMH. Esta semana, Alexandre e Frédéric ingressaram também no Conselho de Administração do grupo, ao lado dos irmãos mais velhos, que já faziam parte do colegiado.

Casado com a pianista Helene Mercier, e ele mesmo um pianista amador, Arnault teria paquerado pela primeira vez sua mulher ao piano, tocando peças de Chopin e outros clássicos.

Arnault costuma afirmar que se considera um “embaixador da cultura francesa”. Mas, em 2012, foi alvo de críticas após dar entrada a um pedido de cidadania belga num momento em que o governo francês discutia elevar os impostos sobre os bilionários do país. Ele acabou desistindo da nova cidadania e, na ocasião, disse que este era um “gesto de seu compromisso com a França”.

Elon Musk

Nascido na África do Sul, filho de um engenheiro e de uma nutricionista, Musk deixou sua casa aos 17 anos para estudar no Canadá, em parte para evitar servir no exército sul-africano durante a era do apartheid.

Quando criança, na África do Sul, ele aprendeu a desenhar códigos de computador de forma autodidata e vendeu seu primeiro jogo, Blastar, por cerca de US$ 500.

Após se formar na Universidade da Pensilvânia com diplomas em Física e Economia, ele se matriculou em Stanford, mas deixou os bancos universitários para empreender em três áreas que sempre despertaram seu interesse: internet, energia limpa e a corrida espacial.

Ele criou uma plataforma de publicação online chamada Zip2 em 1995 e a vendeu quatro anos depois por mais de US$ 300 milhões. Reinvestiu parte dos lucros para começar a X.com, um sistema de pagamento online. Depois, fundiu este negócio com outro que, na sequência, se tornou o PayPal, site de pagamentos eletrônicos que foi vendido ao eBay por US$1,5 bilhão em 2002.

Seu próximo projeto foi a SpaceX, uma empresa de foguetes de capital fechado que foi selecionada pela Nasa para assumir o papel de reabastecer a Estação Espacial Internacional. Um ano depois, ele cofundou a Tesla, a empresa que produziu o primeiro carro de passeio totalmente elétrico em 2010.

Sua terceira empresa, a SolarCity, era uma fornecedora de sistemas de energia solar, que foi comprada pela Tesla em 21 de novembro de 2016.

A Tesla se tornou a montadora de carros mais valiosa do mundo em julho de 2020. Em janeiro de 2021, Musk se tornou o homem mais rico do planeta.

Em abril de 2022, Musk fez uma oferta para comprar o Twitter por US$ 44 bilhões após adquirir uma participação na empresa de mídia social. Musk depois tentou desistir do negócio, mas foi forçado a levá-lo adiante sob risco de litígio. A compra foi concluída em outubro de 2022 e, em abril de 2023, ele renomeou a empresa como X.

Desde então, a empresa não para de se envolver em polêmicas. Reduziu a moderação de conteúdo e mudou a política de remoção de posts com conteúdo de ódio, o que levou a uma fuga de anunciantes. Este mês, o bilionário ameaçou, em posts na rede social, descumprir determinações da Justiça brasileira sobre a remoção de perfis solicitadas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, no âmbito dos inquéritos que apuram fake news, ataque às urnas eletrônicas e ao sistema democrático.

Musk, que já disse que pretende se aposentar no planeta Marte, costuma alertar para o que chama de colapso populacional da Terra. Na sua visão, o planeta não vai conseguir suportar um aumento tão grande da população. Aos 52 anos, ele tem 10 filhos, com três mulheres diferentes.

Jeff Bezos

É um self-made man: fundou a Amazon na garagem de sua casa em Seattle em 1994, mudando o varejo e a forma de fazer negócios na internet.

Foi CEO da empresa até 2021, quando se tornou presidente do Conselho de Administração da companhia. Hoje, ele detém menos de 10% da empresa.

Após 25 anos de casamento, se separou de MacKenzie Bezos em 2019, no que foi considerado um dos divórcios mais caros da História.

Ele é dono do jornal The Washington Post e da Blue Origin, empresa que desenvolve foguetes espaciais. Bezos fez uma curta viagem ao espaço em 2021.

Em 1998, foi um dos primeiros “investidores-anjo” do Google, apó se encontrar com os fundadores da empresa, Larry Page e Sergey Brin.

 

Artigo anteriorTécnicos da Câmara preveem déficit zero das contas públicas apenas em 2028
Próximo artigoCampos Neto reforça que BC intervém no câmbio somente para corrigir mau funcionamento