Construtora Bauten: um caso de amor com o Nordeste e a inovação

45
Esaú Magalhães, sócio fundador da Construtora Bauten

1ª parte: a visão do empreendedor Esaú Magalhães.

A trajetória da Construtora Bauten é marcada por uma combinação de experiência, visão estratégica e um profundo compromisso com a valorização do Nordeste. Fundada por Esaú Magalhães e Meiry França, a empresa tem uma abordagem inovadora, foco em desenvolver projetos que atendam às necessidades específicas da região – atenta às rápidas oscilações do mercado imobiliário, além de uma gestão horizontal e contemporânea, organizada como um time que joga coletivamente.

Com ambos nascidos no Rio Grande do Norte, hoje radicados na Paraíba, a Bauten nasceu da vontade dos sócios de unir forças e experiências individuais para explorar as oportunidades de investimento na construção civil e incorporação. Quando o mercado de Natal estava perto do excesso de oferta, Esaú e Meiry decidiram ampliar o raio de atuação, especialmente e especificamente no Nordeste. Toda a região foi cuidadosamente pesquisada, estudada a fundo, mas João Pessoa brilhou mais aos olhos dos empreendedores que, hoje, acumulam mais de 20 anos de experiência no setor imobiliário.

Segundo Esaú Magalhães, a virada da bússola da Bauten para a capital paraibana aconteceu em 2017: “Analisamos diversos mercados, incluindo Fortaleza, Recife, Maceió e Aracaju, mas decidimos focar em João Pessoa. A escolha foi estratégica, considerando ainda a proximidade com Natal e o potencial de crescimento da cidade que já se avizinhava no horizonte”. Esaú destaca que João Pessoa oferecia um ambiente propício para investimentos, com indicadores econômicos positivos e uma gestão pública eficiente.

Ao desembarcar em João Pessoa, a Bauten percebeu a necessidade de adaptar sua estratégia, revela Esaú: “Diferentemente do Rio Grande do Norte, onde predominavam projetos horizontais, a empresa optou por investir em verticalização”. Essa mudança de foco permitiu à Bauten se posicionar de maneira competitiva: “Quando chegamos aqui, começamos a entender o mercado e vimos que João Pessoa, por ser uma cidade muito compacta, principalmente nessa área que trabalhamos, de Cabedelo até Cabo Branco, havia escassez de terrenos maiores e disponíveis aos parcelamentos de solo. Então, modificamos nossa matriz de investimentos focamos em verticalizar”, explica Esaú.

Valorização do Nordeste

Um dos aspectos que mais chama a atenção na Bauten é seu compromisso com a valorização do Nordeste. Esaú enfatiza a importância de contratar mão de obra local, valorizar a cultura, a arquitetura e o design da região. Essa valorização vai além, explica Esaú: “Procuramos atuar fomentando localmente a capacitação profissional, parcerias estratégicas e, sempre que possível, valendo-se de instituições como o Sebrae, por exemplo, garantindo que os projetos da Bauten reflitam a identidade nordestina. Nós somos nordestinos, moramos no Nordeste, gostamos do Nordeste e entendemos as dificuldades da região. Se a gente não se preocupar com isso, a cidade não cresce inteligentemente. Temos que nos  preocupar e nos engajar. Nesse sentido, estamos fazendo nosso papel de forma diligente”, afirma Esaú.

Pilares bem definidos e inovação no DNA 

Desde sua criação, a Bauten se estruturou em torno de três pilares principais que guiam suas operações, estratégias de crescimento e são fundamentais para a sustentabilidade e o sucesso da empresa no mercado imobiliário. Esaú Magalhães enumera:

1. Desenvolvimento próprio: Essa abordagem permite à Bauten ter maior controle sobre os projetos, desde a concepção até a execução, garantindo que cada etapa esteja alinhada com os padrões de qualidade e inovação da empresa. Traz ainda como vantagens autonomia, flexibilidade para inovar para que os projetos reflitam os valores que a Bauten imprime ao mercado.  

2. Desenvolvimento com fundos de investimento: Desenvolvimento junto ao mercado estruturado, com governança,  credibilidade e diversificação de riscos. 

3. Desenvolvimento para mercado: Focando em projetos que ofereçam alto potencial de retorno, sem atuar como prestadora de serviços de construção para terceiros, envolvendo ainda a identificação, aquisição e desenvolvimento de terrenos e propriedades com grande capacidade de valorização. 

A inovação como trilha a ser seguida também faz parte da gestão da Bauten, porém, com um olhar que ultrapassa o uso de tecnologias construtivas, enxergando também experiências disruptivas.  Esaú Magalhães explica que a inovação também envolve a criação de experiências diferenciadas para os clientes: “Um exemplo é o projeto que apresentaremos entre os dias 06 à 11 de Junho, localizado na cidade de Bananeiras, o Casas Tekoá, empreendimento onde os imóveis serão entregues prontos, que inclui serviços de concierge e parcerias para capacitação de mão de obra local, ou contratando uma obra de artistas locais, como já fizemos com Clóvis Júnior para um lançamento”, afirma de forma categórica o sócio fundador da Bauten.

Fachada do empreendimento Arcos, na orla de Cabo Branco

Desafios e perspectivas 

Esaú Magalhães reconhece que o mercado imobiliário é dinâmico e sujeito aos impactos dos ciclos econômicos. Diante dessa afirmação e indagado sobre as perspectivas do setor imobiliário na Paraíba, mais especificamente na capital, ele infere e acredita que João Pessoa ainda tem espaço para crescer: “O ritmo talvez seja menos acelerado e, por isso mesmo, investimos tempo e recursos em estudos de mercado e estamos sempre de olho na diversificação para novos nichos com maior potencial”. Ele lembra que o mercado imobiliário de João Pessoa tem subido de forma constante desde 2018. “Sabemos que os ciclos econômicos ou imobiliários são curtos, médios e longos. Estamos no meio de um ciclo de médio para longo. Ainda enxergamos bom espaço para crescimento, apenas apenas com um pouco menos de velocidade, digamos assim”, analisa Esaú.

Atualmente, a Bauten possui diversos projetos em andamento, incluindo o Áurea, o Reserva da Mata e o Arcos. A empresa já tem planejamento de lançamentos até 2026, mantendo uma média de dois novos projetos por ano. Essa programação é extremamente cuidadosa para garantir o sucesso dos empreendimentos: “Este ano ainda teremos mais dois lançamentos importantes, incluindo  Bananeiras, Miramar  e Formosa. Seguiremos construindo experiências inovadoras, valorizando nossas raízes nordestinas e crescendo de forma sustentável, com uma visão estratégica muito clara sobre o nosso negócio”, conclui Esaú Magalhães. 

Artigo anteriorEmenda do MDB, PSD e PT vai retomar taxação das blusinhas no plenário do Senado
Próximo artigoRS: vendas no varejo desabam, e analistas já veem impacto de 0,3 ponto percentual no PIB