Conselheira do CFM defende pausa na abertura de novos cursos de Medicina no Brasil

Para Annelise Meneguesso é necessário controlar diante do aumento exponencial e acelerado de cursos que formam sem qualificação necessária

26

O governo federal voltou a permitir, no final do ano passado, a abertura de novos cursos de medicina pelo país. Foi autorizada a abertura de até 95 novos cursos de medicina, com 5,7 mil vagas, em 1.719 municípios do país. Hoje, o Brasil conta com 390 cursos de medicina ofertados por instituições de ensino superior, públicas e privadas. São 42 mil vagas por ano. Só 18% são ofertadas por universidades federais, cerca de 7 mil.

A abertura indiscriminada de cursos e escolas de medicina tem preocupado a médica e conselheira do Conselho Federal de Medicina (CFM) pela Paraíba, Annelise Meneguesso. Para ela, é necessário controlar a qualidade da formação dos novos médicos frente ao aumento exponencial e acelerado de cursos. “Estamos vendo muitos profissionais que se formam sem qualificação necessária para prestar um bom atendimento à população e isso é um risco. Por isso, defendemos que seja proibida a abertura de novas escolas médicas”, destacou.

Em 2023, o Brasil de fato chegou a inéditos 562.229 profissionais, mais que o dobro em relação ao contingente de 2010, embora a população tenha crescido somente por volta de 27%. “Temos unidades formando profissionais sem ter nenhum hospital de base para treiná-los e isso é muito arriscado para a população que vai ter que depender desses futuros médicos”, frisou Annelise.

LEIA MAIS: Paraibano é nomeado novo superintendente do Banco do Nordeste

Annelise Meneguesso, que está candidata ao cargo de conselheira federal titular, defende ainda, como forma de melhorar a qualidade dos cursos de medicina no Brasil, a avaliação objetiva de cada um, com fechamento das escolas que não preencherem os critérios mínimos de funcionamento; o exame de proficiência dos estudantes de Medicina; o Revalida como única forma de revalidação de diplomas médicos; e ainda a qualidade e melhor remuneração das bolsas de Residência Médica.

Outro ponto destacado pela médica é quanto a concentração de médicos nos grandes centros urbanos. Para ela, é importante se buscar soluções que garantam uma melhor distribuição, reduzindo a desigualdade geográfica no acesso aos profissionais.

Perfil
Annelise Meneguesso é conselheira federal suplente do CFM pela Paraíba e atualmente disputa uma vaga como titular da entidade. Ela é autora de matérias importantes como a Resolução nº 2.333/23, que trata sobre a publicidade médica. Graduada pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), com Residência em Clínica Médica e em Endocrinologia também pela UFCG. É doutoranda em Bioética pela Universidade do Porto. Atua ainda como professora de endocrinologia na Faculdade de Ciências Médicas. No CFM, ela está como Coordenadora da Câmara Técnica de Endocrinologia e Metabologia; membro das comissões de ensino médico, assuntos políticos, médico jovem, doenças raras e divulgação de assuntos médicos. Também está como membro das Câmaras técnicas de cirurgia bariátrica e Medicina do esporte do CFM.

Artigo anteriorCooperativas de crédito expandem rede na Paraíba enquanto bancos fecham agências
Próximo artigoEmpresa paraibana Mioche investe R$ 20 milhões em expansão
Redação
O Paraíba Business é um portal de notícias profissional focado em economia e negócios, independente e não partidário. Seu propósito é produzir conteúdos relevantes e se aproximar ao máximo da verdade dos fatos para informar e contribuir com nossos leitores de maneira transparente.