Com alta de 0,8% do PIB, Brasil fica em 17º lugar no ranking de crescimento global

Economia de Israel aparece em primeiro lugar no levantamento, que é da agência de classificação de risco Austin Rating

19
PIB brasileiro voltou a crescer e agropecuária teve bom desempenho

Com o crescimento de 0,8% do Produto Interno Bruto () no primeiro trimestre deste ano, o Brasil ocupa a 17ª posição num ranking das 53 economias que já divulgaram seu crescimento no período. O levantamento foi feito pela agência de classificação de risco Austin Rating. No último trimestre de 2023, o país ficou na 14ª posição, segundo a Austin Rating.

Segundo o levantamento da agência, a economia de Israel que está em guerra com o grupo Hamas, teve o maior crescimento no período, com expansão de 3,4%. Em seguida, no segundo lugar, aparece a Turquia, com crescimento econômico de 2,4% e em terceiro lugar ficou a economia de Hong Kong, com expansão de 2,3%.

Entre os latino-americanos, o Chile aparece na quarta colocação, a melhor posição entre seus pares, com crescimento de 1,9%. A Colômbia ficou em 12º lugar com expansão de 1,1%. No quinto lugar, ficou a China, a segunda maior economia do mundo, com expansão de 1,6% no primeiro trimestre deste ano.

Mesmo ficando no 17º lugar, o crescimento da economia brasileira superou economias maduras, como a Espanha (que cresceu 0,7% e ficou em 22º lugar no ranking) e Reino Unido (que teve expansão de 0,6% e ficou em 23º lugar no levantamento).

Os Estados Unidos, a maior economia do planeta, figuram na 32ª posição no ranking, com crescimento de 0,3% no período.

O levantamento mostra que na média dos 53 países, o crescimento foi de 0,3%. Já entre o grupo G7, as sete maiores economias do mundo, o crescimento médio foi de 0,2%.

No ano passado, o Brasil, segundo a Austin, com PIB de US$ 2,1 trilhões e crescimento de 2,9%. O país ocupou a nona posição.

Veja as dez economias que mais cresceram no primeiro trimestre

  1. Israel: 3,4%
  2. Turquia: 2,4%
  3. Hong Kong: 2,3%
  4. Chile: 1,9%
  5. China: 1,6%
  6. Malásia: 1,4%
  7. Filipinas: 1,3%
  8. Coréia do Sul: 1,3%
  9. Arábia Saudita: 1,3%
  10. Chipre: 1,2%
  11. BRASIL: 0,8%

Fonte: Austin Rating

Artigo anteriorPlanos de saúde individuais terão reajuste de até 6,91%, bem acima da inflação
Próximo artigoAlta do PIB é resultado de precatórios e mais crédito, mas desaceleração é esperada pela Fazenda