Cachaça x cerveja: governo propõe imposto mais alto para bebidas com maior teor alcoólico

3

Definição faz parte das regras sobre o Imposto Seletivo, apelidado de imposto do pecado

A proposta de detalhamento da Reforma Tributária apresentada na quarta-feira pelo governo prevê que os impostos sobre bebidas alcoólicas sejam proporcionais ao teor alcoólico do produto.

O texto estabelece que bebidas alcoólicas serão alvo do Imposto Seletivo, apelidado de “imposto do pecado”. De modo geral, o imposto incidirá sobre a produção, extração, comercialização ou importação de bens ou serviços prejudiciais à saúde ou ao meio ambiente. As taxas, porém, serão definidas posteriormente.

No caso das bebidas alcoólicas, uma parte da alíquota vai variar conforme à quantidade álcool, uma vez que o efeito negativo do produto se eleva com a maior ingestão.

Esse cenário vai fazer com que a cachaça, de maior teor de álcool, tenha mais imposto que a cerveja, por exemplo. Desde 2015, quando houve uma mudança na cobrança do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), as cervejarias pagam menos imposto do que as suas rivais etílicas.

“Como o efeito negativo de álcool está relacionado à quantidade de álcool consumida, propõe-se um modelo semelhante ao utilizado para os produtos do fumo, pelo qual a tributação se dará através de uma alíquota específica (por quantidade de álcool)”, argumenta o governo.

Como O GLOBO mostrou, a regulamentação da Reforma Tributária rachou o setor de bebidas e colocou em lados opostos duas paixões dos brasileiros: a cerveja e a cachaça.

As cervejas queriam manter a lógica do teor para definir o imposto. Já os destilados querem aproveitar o momento justamente para reverter a vantagem tributária das cervejas, usando o argumento de que é preciso dar paridade de armas a todos no mercado. Nessa briga, os destilados estão unidos, e a brasileira cachaça ganhou a companhia do uísque, da vodca, do gin, da tequila e de outras bebidas que vêm de fora.

Artigo anteriorMercadante diz que desembolsos do BNDES subiram 32% no 1º trimestre, para o maior patamar desde 2016
Próximo artigoIBGE vai passar a investigar segurança alimentar anualmente. Cad Único prevê integrar dados do Censo para aprimorar programas sociais