Banco Central alerta sobre novo vazamento de mais de 20 mil dados vinculados a chaves Pix

Segundo a autarquia, incidente ocorreu com dados cadastrais. Informações sensíveis, como senhas, não foram expostos

24
Banco Central do Brasil

Dados pessoais vinculados a mais de 20 mil chaves Pix sob responsabilidade das instituições de pagamento Iugu e Pagcerto sofreram vazamento, informou o Banco Central nesta terça-feira (dia 11). De acordo com nota divulgada pela autarquia, incidente ocorreu “em razão de falhas pontuais em sistemas dessas instituições”.

O vazamento ocorreu com dados cadastrais como nome do usuário, CPF com máscara , instituição de relacionamento, agência, número e tipo de conta. No total, a instituição Iugu teve dados cadastrais vinculados a 19.849 chaves Pix vazados, enquanto a Pagcerto, 2.197.

LEIA MAIS: Pacheco se reúne com Lula e leva ‘insatisfação’ sobre MP que altera regras do PIS/Cofins

Apesar do incidente de segurança, o BC informou que dados sensíveis como senhas, informações ou saldos financeiros em contas transacionais não foram expostos:

“As informações obtidas são de natureza cadastral, que não permitem movimentação de recursos, nem acesso às contas ou a outras informações financeiras”, disse a instituição em parte da nota.

A autarquia acrescentou que adotou todas as ações necessárias para apurar o caso. Além disso, o BC destacou que “serão aplicadas as medidas sancionadoras previstas na regulação vigente”.

Vítimas do incidente serão notificadas

De acordo com o Banco Central, as pessoas que tiveram os dados cadastrais vazados serão notificadas “exclusivamente por meio do aplicativo ou pelo internet banking de sua instituição de relacionamento”.

Em comunicado, a autarquia destaca que nem o BC, nem as instituições usarão outros meios de comunicações, como apps de mensagens, ligações, SMS ou e-mail para contatar os afetados pelo vazamento.

Artigo anteriorInflação acelera para 0,46% em maio, puxada pela alta dos alimentos, aponta IBGE
Próximo artigoComo o consumidor brasileiro mudou seu comportamento nas últimas três décadas com a estabilização econômica do país