Ataque do Irã deve elevar preço do petróleo e pressionar Petrobras por reajuste

7

País é um dos maiores produtores da commodity no mundo, e especialistas temem restrições da oferta se conflito se agravar. Defasagem de combustíveis no Brasil chega a 19%

O aumento da tensão no Oriente Médio com o ataque de drones e mísseis feito pelo Irã ao território de Israel na noite deste sábado, pelo horário do Brasil, deve pressionar ainda mais a cotação do preço do barril petróleo no mercado internacional.

Em minoria: governo se articula para evitar derrotas no Conselho de Administração da Petrobras

Petróleo turbidítico: por que a descoberta da Petrobras na Margem Equatorial é tão importante?

Segundo especialistas ouvidos pelo GLOBO, a preocupação é o envolvimento direto do Irã na guerra, um dos maiores produtores de petróleo do mundo, com mais de 4,3 milhões de barris de óleo extraídos por dia. Isso pode elevar a pressão para que a Petrobras eleve os preços dos combustíveis no Brasil.

O Irã também é um dos integrantes da Opep, cartel formado por países que mais produzem óleo e gás.

Para Cleveland Prates, professor de Economia da Fundação Getulio Vargas Law (FGV), a entrada do Irã é um problema a mais e aumentará a especulação em torno do preço do petróleo.

Salto de 17% no preço neste ano

A expectativa de aumento no preço da commodity ocorre em um momento em que o barril já subiu 17% neste ano, passando de US$ 77 para os atuais US$ 90, segundo dados da Bloomberg.

— O preço do petróleo vai subir com a expectativa do que pode acontecer nos próximos dias e se o conflito vai escalonar. O temor é que uma guerra possa afetar a oferta de petróleo, já que o Irã conta com refinarias, por exemplo — disse Prates.

Ele lembra que o ritmo de alta da cotação do petróleo vai depender da intensidade do conflito nos próximos dias e qual será na prática o papel dos Estados Unidos.

— Os Estados Unidos sabem que, mesmo sendo aliados de Israel, não querem uma pressão sobre o preço do petróleo neste momento, o que pode afetar em cheio a inflação americana. E isso pode ser ruim para as eleições nos EUA — explicou Prates.

Sergio Araujo, presidente-executivo da Abicom, associação que reúne os importadores de combustíveis, afirmou que a expectativa é de aumento de preços:

— Um conflito entre Israel e Irã pode gerar mais restrições nas movimentações de petróleo e de derivados e isso deve pressionar sim um aumento de preço.

Ele afirmou ainda que, com o ataque do Irã e a expectativa de alta nos preços, a defasagem da Petrobras deve aumentar. Na sexta-feira, os preços cobrados pela estatal estavam 19% menores em relação ao praticado no exterior. Dados internos da estatal, segundo fontes, apontam para uma defasagem de 6% na gasolina.

— E isso vai elevar a pressão para que a Petrobras faça ajustes no seu preço.

 

Artigo anteriorMega-Sena: Caixa sorteia prêmio de R$ 56 milhões neste sábado
Próximo artigoCompanhias aéreas suspendem voos e ajustam rotas para evitar região de tensão no Oriente Médio