A Paraíba e os desafios do crescimento

36
Pôr do sol no Rio Paraíba, na Praia do Jacaré

Houve um tempo em que a Paraíba, de acordo com a comunicação governamental de então, era vendida em feiras e congressos como o berço da tranquilidade brasileira. É verdade que a boa fama, decorrente das ações de várias gestões, em parceria com as entidades representativas das classes empresariais, levou tempo para ser difundida pelo Brasil e pelo mundo afora, e hoje os frutos dessas ações estão sendo percebidos e colhidos de forma planejada e madura. 

Os propagados frutos redundam em destaques que elevam sobremaneira a imagem e o conceito da Paraíba, um excelente momento para os setores turístico e imobiliário, sendo inclusive eleito o segundo estado do Nordeste no ranking de qualidade de vida divulgado pelo Índice de Progresso Social (IPS), uma metodologia internacional que calcula o bem-estar da população a partir de dados oficiais. Em nível nacional, o estado passou a ocupar a 12ª posição, o que é surpreendente em vista de tratarmos de um estado nordestino pequeno e pobre.

Três dimensões principais são analisadas de acordo com o IPS: necessidades humanas básicas, fundamentos para o bem-estar e as oportunidades geradas. Embora cada uma dessas dimensões se desdobre em quatro componentes, de modo a formar uma média final, a Paraíba se destacou nos quesitos moradia (92,29), nutrição e cuidados médicos básicos (69,33), qualidade do meio ambiente (68,69) e acesso ao conhecimento básico (65,64). Ao observar os indicadores, é possível reconhecer a presença e a importância do mercado imobiliário, saúde, meio ambiente e educação na formatação qualitativa de um destino. 

Com efeito, é possível afirmar que o sistema de divulgação e fortalecimento de um destino vai além das ações básicas e mais tradicionais relacionadas ao turismo, ao próprio mercado imobiliário, assim como aos diversos e inter-relacionados segmentos, sendo complementar e de suma importância o funcionamento de um sistema de saúde capaz de atender também aos novos moradores, assim como os turistas que, com mais frequência, escolhem a Paraíba como destino de férias. Nessa mesma linha de entendimento, não há como imaginar o crescimento de um destino turístico sem uma política de educação voltada para a qualificação técnica e valorização da mão de obra local, tendo em vista a necessidade premente de se evitar o colapso de profissionais disponíveis e a consequente substituição destes pelos de outros rincões.

Dessa maneira, dada a compreensão de que a maior vocação econômica paraibana reside na prestação de serviços e que o turismo é, em definitivo, a sua maior indústria, fato este atestado pelos números que demonstram os investimentos em execução no Polo Turístico Cabo Branco, é preciso que os órgãos públicos, em associação com a iniciativa privada, construam um fórum permanente de consulta e discussão, com o intuito de que temas como mobilidade urbana, cidadania, malha aérea, segurança pública, entre tantos outros igualmente pertinentes, possam ser debatidos, explicados e tenham ações deliberadas. 

A Paraíba ideal exige o desafio de se conseguir manter uma qualidade de vida condizente com o que esperam os novos e os mais antigos residentes, em todos os itens que envolvem a paz e o avanço social, contudo, sem esquecer de lutar para que a geração de oportunidades, decorrente do crescimento econômico, atinja todas as classes sociais e que, por fim, o aumento populacional acima da média não seja enxergado como um risco de sermos atingidos pelas mazelas da desorganização e da incapacidade de lidar com as demandas naturais do crescimento. 

Artigo anteriorLira diz que inclusão de carnes na cesta básica terá ‘impacto grande’ sobre alíquota da Reforma Tributária
Próximo artigoVendas no comércio crescem 1,2% em maio e renovam pico da série
Glauco Morais
Glauco Morais, Advogado, Turismólogo, Corretor de Imóveis, ex-Secretário de Turismo de João Pessoa, sócio-fundador da Consultoria Imobiliária Plano 83, é um profundo conhecedor do mercado imobiliário, com especial enfoque no estado da Paraíba.